domingo, 27 de novembro de 2016

[Resenha] Conto de Dragões

Olá caros leitores e escritores, no post de hoje temos resenha de livro! Escrito pela simpaticíssima Fabiane Zambelli! Vamos falar um pouco dela então? Segue.
Fabiane é formada em jornalismo, multiuso em várias de suas áreas e como se não fosse o suficiente é escritora nas horas vagas! Consequentemente uma apaixonada pelas palavras desde pequena; lia e faziam com que seus parentes próximos lessem também vários livros. A paixão pela literatura ficou séria aos 19 anos, quando entrou pra PUC em São Paulo na Faculdade de Jornalismo, onde produziu diversos textos ainda engavetados.
Vamos pro livro? Pois bem; Conto de Dragões é um livro de Fantasia e ficção brasileira escrito por Fabi Zambelli.
Ano: 2016 / Páginas: 416
Editora Novo Século (Selo Talentos da Literatura Brasileira)
Coordenação de Vitor Donofrio
Editorial:
Giovana Petrólio, João Paulo Purini, Nair Ferraz, Rebeca Lacerda.
Preparação por Fernanda Guerriero.
Diagramação: Vitor Donofrio e João Paulo Purini.
Sinopse:
Conto de Dragões é uma história contemporânea na região metropolitana de São Paulo. Neste livro acompanhamos Mariane, uma estudante de jornalismo, junto com seus colegas de classe, mas a rotina logo muda quando se dá conta da existência de dragões (seres originais de outro planeta), estes devidamente disfarçados em forma humana. Estes seres protegerão a Terra por qualquer preço contra os Giants (criaturas que praticamente aniquilaram o planeta natal dos dragões e muitos outros), eles estão em busca da energia vital dos habitantes deste planeta e seu rei Giulian fará de tudo para pegar o que imagina ser seu.
Crítica:
Pra adiantar; gostei da prévia, gostei da história, gostei também da construção do mundo. Mas há pontos que quebram a narrativa apesar da autora escrever razoavelmente bem.
Antes de mais nada; a sinopse contida no livro, ao meu ver, está incompleta, sem falar que a capa do livro dá uma impressão completamente diferente! Explico; preciso salientar o cenário urbano, ao contrário da capa mostrando um ambiente medieval. Sinceramente achei, pela capa, que a personagem principal era filha de fazendeiros ou coisa do tipo, pois a sinopse não deixa explícito o cenário, enquanto a capa engana. O único crédito fica para quem produziu a capa, mas aparentemente não foi lida a história para fazê-la.
O primeiro ponto; a narradora não introduz elementos suficientes para que você possa suspeitar de alguns aspectos no final, apesar de transmitir verossimilhança.
Segundo ponto; apesar de não passar pontos interessantes dos aspectos finais, apresentando-os de repente para o leitor, ela insiste em repetir descrições e pensamentos dos personagens, principalmente entre as paginas 50 e 120, mas a partir daí começa a melhorar, dando ritmo pra história.
Gostaria de dizer que o trabalho editorial ficou bom, acredito que isto se deva a quantidade de pessoas envolvidas na produção do livro como produto final.
Infelizmente próximo da parte final (por volta da pagina 300) ela perde ritmo, voltando ao habitual somente 50 paginas para o fim.
O final (as ultimas dez páginas) ela perde o ritmo novamente, mas creio que a maioria das pessoas não devem perceber.
Por fim tem uma delícia de posfácio e os agradecimentos da autora. Ambos muito bem escritos.
Existem mais alguns detalhes, quase imperceptíveis que fiz questão em passar para a autora.
Então... Este é aquele livro feito para se distrair com um romance fantástico contemporâneo. Talvez por conta da minha própria experiência de vida não consegui me ligar muito aos personagens, apenas levemente com Matheus, amigo de Mariane.
A edição aparentemente se contentou em corrigir os erros, na minha percepção não se esforçou em enxugar o livro, fazendo-o perder qualidade. Faltou lapidar por assim dizer.
Com tudo isto posto, estas são as minhas notas:
Voz do escritor: 4,0
Roteiro: 6,0
Ambientação: 6,0
Coerência: 7,0
Diagramação: 6,0
Capa: 2,0 (Ilustração, Título, montagem da sinopse e primeiras impressões).
Levando em consideração os mesmos pesos para todos os critérios acima listados a nota final é:
5,5 !!!
Observações finais:
Ficou interessado(a) no livro? Pois vale a pena o conto!
Minha ultima recomendação para quem quer ler Conto de Dragões; aprecie com moderação! Meu ritmo de leitura é insano, talvez por conta disso eu tenha sentido falta de uma leitura mais acelerada.
Acesse os perfis da Autora nas redes sociais:
Perfil no Twitter: Fabiane_ZP
http://twitter.com/Fabiane_ZP
Perfil no Facebook: Fabiane Zambelli de Pontes
http://www.facebook.com/fabiane.zambellidepontes
Blog World Fabi Books:
http://worldfabibooks.wordpress.com
Página no Facebook do World Fabi Books:
https://www.facebook.com/WorldFabiBooks
Página do Livro Conto de Dragões no Facebook
http://www.facebook.com/contodedragoes
Página do livro no Skoob:
https://www.skoob.com.br/conto-de-dragoes-604578ed604913.html
Instagram pessoal e do blog: world.fabi.books
http://instagram.com/world.fabi.books
Então pessoal, por hoje é só. Não se esqueça de ler outros posts, tem muita coisa bacana pra ler. Abraços randômicos e até o próximo post!

domingo, 20 de novembro de 2016

Post Random #10 Recados!



Olá caros leitores e escritores! Como estão vocês?
Hoje será um post curtinho, contendo alguns esclarecimentos a respeito do blog e este que vos escreve.

Em primeiro lugar; tenho posts repostados durante a semana. São posts antigos revisados, estou repostando-os para entrar no feed do Twitter e Facebook. Faço isso pra que todos os seguidores possam acompanhar 100% do blog.

Segundo tópico; o blog está com poucos acessos, alguns comentários na Pagina do Facebook, portanto diminuirei a frequência dos posts para cada duas semanas. Possivelmente farei postagens extras, mas não será regra.
Outro motivo para diminuição dos posts é o meu ofício da escrita, preciso escrever mais fora do blog para manter os meus estudos afiados.

E falando em estudos... Estou a disposição para quem quiser uma leitura crítica e análise literária, quem estiver interessado(a) é só me contactar nas paginas do Facebook e Twitter, assim conversaremos por lá (serviço ainda gratuito!). Apesar de ser ainda um escritor sem livros publicados (em breve isto mudará), estudo a arte da escrita há mais de quatro anos por conta própria; assisto alguns canais no YouTube, Podcasts e textos (até em inglês, mesmo tendo muita dificuldade na leitura, digamos que o Google me ajuda bastante também XD), isto sem falar de diversas entrevistas com autores experientes, ou seja, tenho me empenhado muito para oferecer bons serviços para vocês.

Muito bem, para aqueles que têm livros finalizados, encontro-me disponível para fazer resenhas e ceder as minhas anotações aos autores, como tenho feito em todas os meus trabalhos anteriores, sendo assim uma forma de leitura critica superficial (ao contrário de minha intenção combos ainda não publicados; análise profunda). Alem de todo o trabalho, também tenho uma plataforma de divulgação, mas como funciona? Publico as resenhas aqui, consequentemente nas páginas do Facebook (@OEscritorRandom e @FeedsLiterarios), sendo os dois de minha administração. Isto que não estou falando da Pagina do blog 1001 Nuccias no Facebook, no qual sou colaborador. Assim como todos os meus posts, comprometo-me a divulgar através dos meios citados.

Assim você, autor iniciante que confia em seu trabalho, poderá ter mais uma plataforma de divulgação (ainda que pequena) de forma gratuita, só me contactar. Sendo que alem de suas publicações, você poderá divulgar eventos e afins através de meu blog (pretendo concentrar este tipo de divulgação no futuro blog "Feeds Literários", cuja a criação se dará quando houver mais de 1000 curtidas), portanto há diversas vantagens e eu não desejo livro impresso, pois o importante ao meu ver é a sua história!

Ainda sobre Feeds Literários, como o agregador de links twitterfeed.com acabou, terei que parar com as divulgações pois outros agregadores são pagos e insuficientes no modo gratuito. Portanto pretendo reativar este projeto em um momento oportuno com o mesmo objetivo e outras formas para divulgação literária.

É importante deixar bem claro aqui; não desejo fazer dos autores iniciantes uma fonte de renda (talvez editoras e outros anunciantes), mas fazer deles uma fonte de enriquecimento da literatura brasileira, consequentemente aprender com vocês, bem como espero o bom proveito do conteúdo produzido aqui no blog (fonte de indicações, de publicidade, de conhecimento...).

Muito bem pessoal, por hoje é só. Espero vários contatos de vocês contendo os seus escritos!

Abraços randômicos e até a próximo post!



domingo, 13 de novembro de 2016

Post Random #9 Sobre Escritores



Olá caros leitores e escritores, especialmente os últimos. Hoje falarei um pouco sobre o ser escritor e os tipos/métodos de trabalho entre eles, depois falarei onde estou neste espectro e por onde passei.

O Aspirante.
Nesta fase muitos desistem da escrita, por achar trabalhoso ou ainda por reconhecer o tamanho da aptidão alheia. Há os poucos que passam por esta fase, vamos então separa-los.

Escritor Não leitor.
Aquele escritor que tem a mente afiada e assiste muitas séries e logo pensa "posso fazer uma coisa destas!" Mas se depara com o custo de se fazer algo do tipo. Muitos deles não duram muito, mas alguns poucos resistem e evoluem.

Escritor Traça literária.
Aquele leitor que começa escrevendo fanfics e emula os seus escritores preferidos, quando percebem são escritores amadores, mas muitos desistem em seguir adiante por conta de não se sentirem bons ou talentosos o suficiente.

Escritor Estudante.
É aquele com uma boa base teórica e normalmente faz criticas literárias elaboradas. Reconhecido pelos seus pares e amigos por entenderem muito de literatura. Os seus escritos costumam ser rebuscados e bem elaborados, com certeza um sucesso de critica, mas não de público.

Escritor em desenvolvimento.
Coloco este numa classificação por entender a existencia de momentos chave na caminhada do escritor. Quando recebe aquele estalo "tenho que escrever sobre algo conhecido, portanto tenho que estudar tudo sobre determinado assunto." Neste momento podemos dizer que o então aspirante torna-se amador.

Agora vem a pergunta "qual é a diferença entre amador e profissional" Não é fácil definir isto, mas vamos recorrer à dois parâmetros; remuneração e publicação. Se a renda como escritor supera a metade de sua renda total, podemos dizer que este é profissional.

Seguindo...

Escritor Professor.
Aquele que já conseguiu publicar livros e ter algum reconhecimento, tem uma legião própria de fans e leitores. Começa a ler textos alheios, menos experientes, conjectura sobre o ato de escrever e passa isso pra frente, seja em forma de cursos ou posts em blogs.

Escritor Editor.
Este se especializou em editar textos próprios e alheios. Também costuma fazer resenhas e leituras criticas. Participa de eventos e agencia outros escritores de seu interesse. Alguns se tornam agentes literários, outros editores em Editoras de prestígio ou ainda podem encabeçar novas empresas e projetos no mundo da literatura.

Máquina de Escrever.
Este profissional adquiriu uma rede de trabalho muito boa, explorando-a ao máximo. Ele é capaz de produzir mais de cinco contos por mês, sem deixar a qualidade de lado. Escreve pra blogs, sites e revistas. Escrever é fácil e normalmente busca sair de sua zona de conforto. No entanto raramente este tipo de escritor escreverá um best-seller.

Ainda existem aqueles que simplesmente escrevem, mas atualmente o mercado exige que nós sejamos cada vez mais um ser multitarefa. Um mesmo escritor pode ser mais de um tipo ou misturar características de dois ou três destas classificações. Mas esta é uma visão que tive sobre os escritores que encontrei pela internet e tentei cataloga-los.

Mas vamos para a minha história... Fui aspirante e era um daqueles que não liam muito. Me via impressionado com as produções audiovisuais, lia gibis e gostava de revistas sobre curiosidades científicas, durante minha infância ouvi muito rádio e gostava das musicas internacionais antigas. Na biblioteca lia muito sobre história da música e a estudei enquanto adolescente, também buscava saber sobre como as musicas surgiam. Li muitas poesias e comecei a escrever neste gênero, apesar de não ser bom em português ou produção de texto, mas a minha interpretação de textos era muito boa. Aos 18 descobri que a chave para um bom texto era o conhecimento sobre o assunto abordado, mas deixei este fato de lado até os meus 26 anos, quando comecei a estudar teoria e pratica literária enquanto tentava escrever o meu primeiro romance, ainda persisto. Em meu blog tento repassar o que vou aprendendo, sei que é pouco, mas é muito pra quem está começando. Como sei disso? Eu comecei um dia.

Fui aspirante, escritor não leitor, agora em desenvolvimento. Não sei até onde posso chegar, mas pretendo caminhar até descobrir.

Abraços randômicos para todos e até a próxima!

domingo, 6 de novembro de 2016

Post Random #8 Infinito



Olá caros leitores e escritores, hoje irei falar do infinito...

Parece místico, mas não é! O infinito não é um numero, muito menos o de vezes as quais podemos errar; infinito é um conceito! O infinito na gramática é a reticências (...), na probabilidade é a quantidade de números irracionais possíveis entre 0 e 1, na física é a possibilidade de encontrar um determinado prótons ou elétron dentro de um sistema em uma posição específica, na matemática é um conceito tão diverso quanto ele próprio... Enfim; o infinito é mais do que nossas mentes podem calcular, portanto; um conceito acima de qualquer outra definição.

Mas como usar um conceito tão abrangente quanto o infinito?

Podemos, com este conceito, abordar a física quântica (supracitado no parágrafo anterior), matemática avançada (que eu mesmo não entendo, pois sou de humanas) ou ainda pelo viés histórico da própria ciência! Vamos falar de Albert Einstein.

Einstein não gostava da ideia do infinito, muito menos com a noção de não poder calcular tudo ao seu redor, por conta disso criou os seus famosos modelos mentais. Para respaldar seus modelos, ele criou as fórmulas da relatividade geral e restrita, onde o próprio colocava um limite para a velocidade da luz, na verdade ele contradizia outros que falavam da luz chegar instantaneamente de um ponto ao outro. Ele não determinou a velocidade da luz no vácuo, mas disse como ela poderia ser calculada. Portanto Einstein não concordava com a noção do infinito, para ele tudo era uma questão de saber como calcular para chegarmos até determinado número, ou seja, tudo o que consideramos infinito, na verdade é um número aguardando para ser descoberto.

Foi então que veio a física quântica, aparentemente contradizendo este conceito de Albert Einstein, mas na verdade este ramo da física apenas nos diz que não somos capazes de calcular onde determinado prótons, nêutron ou elétron está em um sistema, pois estas partículas tem um comportamento aparentemente aleatório e quando terminamos de calcular a sua posição em determinado sistema, ela já passou por todas as posições possíveis... E este é o conceito do infinito da probabilidade. Sendo impossível determinar todas as posições, chamamos este "número" de infinito.

Tenho a impressão que se continuar este post, ele será infinito, pois existem tantas maneiras de abordar este conceito que elas tendem à própria noção do assunto abordado.

Este é um post introdutório sobre a física quântica, mas neste campo tudo o que podemos falar sobre o assunto ainda é muito introdutório. É um assunto diverso e ainda incompreensível para nossas fracas mentes, mas talvez possamos criar um computador quântico do tamanho de um planeta que pode nos ajudar a resolver este problema. Talvez ele fique com pena dos filósofos de plantão e nos dê uma resposta insatisfatória; 42.

Gostaram do post? Comentem, curtam e compartilhe!

Abraços randômicos para todos e até o próximo post!

domingo, 30 de outubro de 2016

Post Random #7 Às Armas!



Olá caros leitores e escritores, hoje no blog irei abordar um tema ainda sensível aqui no Brasil; armamento para civis.
Todos nós sabemos que a segurança publica não anda bem das pernas, muito menos da cabeça. A educação que poderia tirar um pouco esta galera das ruas, também não está bem. Então vem o desarmamento, mortes por acidente envolvendo armas de fogo diminuem, mas a violência contra o cidadão continua a mesma... O que fazer?

Não tenho pretensão nenhuma de dar uma reposta definitiva, muito pelo contrario; o foco aqui é a reflexão.

Digamos que colocaremos armas nas mãos do cidadão comum... Se nem manual de instalação dos produtos que compra eles lêem, imagine as consequências em não saber manusear, manter e guardar uma arma de fogo? Na minha opinião uma arma de choque seria mais apropriado e mesmo assim perigoso.

O fato é que muita pouca gente desejosa pela posse de tal artefato, iria frequentar um curso de tiro. Se precisamos de órgãos como a AOB e aplicar uma prova para os bacharéis em direito para garantir a qualidade dos advogados que compõe esta classe profissional, imagina o que aconteceria com os cursos de tiro; o exército brasileiro teria que emitir certificado pra cada um que quisesse ter uma arma em casa? Com a burocracia no Brasil isto se torna inviável.

Digamos que foi superado o problema de formação dos portadores de armas de fogo, todas as escolas que oferecem tal curso são reconhecidas sem que tenha corrupção e tudo mais... Você acha mesmo que usaria uma arma no meio da rua para reagir a um assalto? E se reagisse, quais seriam as consequências criminais? Não vou me dar ao trabalho em mostrar os variados casos que vemos na imprensa, dizendo que por matar ladrão invadindo a sua casa ou assaltando o seu carro... As pessoas estão sendo processadas pelos invasores! Isto é um absurdo e uma insanidade da execução da lei. Não me oponho às investigações, mas é um constrangimento ser assaltado, quanto mais matar o invasor e ser processado (possivelmente preso) por esta ação.

As armas de fogo nas mãos dos civis, na minha opinião, não são a solução. O caminho é a educação, estruturação adequada do estado e do precário sistema de execução das leis, bem como a celeridade no processamento penal.

Quer andar armado? Boa sorte!

Abraços randômicos para todos e até a próxima!

domingo, 23 de outubro de 2016

Post Random #6 Construindo uma Constituição.



Olá caros leitores e escritores. Conforme vamos construindo um mundo ficcional, nos baseamos muito no mundo real. Eventualmente construímos países e consequentemente; constituições. Neste post revelarei a minha experiência enquanto crio as regras de um universo ficcional baseado no estilo ficção científica / Space Opera.

Neste universo planejo escrever livros com romances ou contos numa série chamada Tecnocracia. Onde existem dois impérios vizinhos; a Terra e TechVolk. O segundo deriva do primeiro de onde surgiu uma inteligência artificial, só não revelarei o nome pra não dar eventuais spoolers de histórias futuras. Enfim, nela tive que montar o império de Tecnocracia de TechVolk. Vou fornecer a forma de constituição montada para este País fictício.

(...)

Constituição da Tecnocracia Volk.

Volk significa pessoa.

O conceito de pessoa terráqueo se refere a pessoa humana. De fato muito limitador para esta Constituição Volk.

Artigo Primeiro
Todo aquele ser que:
a) Se percebe como pessoa.
b) Aceita o conceito Volk de pessoa.
c) Respeita a vida Volk.
d) Enxerga todos os Volks como iguais.
e) Colabora com a continuidade desta Constituição.
Se encaixa como pessoa e cidadão Volk.

Artigo Segundo:
Todos os Volks (cidadãos de TechVolk) prometem proteger e se aliar com os ideais da Tecnocrata (Nome), soberana de TechVolk. Além de seguir esta Constituição e todas as regras postas nela, sem exceção alguma.

Artigo Terceiro:
TechVolk é uma instituição planetária tecnocrata onde a soberana (Nome) dita a palavra final conforme esta Constituição, sobre esta última está somente o bem estar e sobrevivência dos Volks e seus recursos de vida.

Artigo Quarto:
Todo ser inteligente que possivelmente se encaixe na percepção Volk de pessoa deve ser protegido e acolhido se assim desejar e tomar esta Constituição como base de comportamento e vida.

Artigo Quinto:
Quando não for possível o ser consciente ter o poder de tomar a decisão de se aliar a esta Constituição e seus ideais, seja por situação de guerra ou qualquer outro impedimento. É dever dos cidadãos Volks guardar e zelar pelas vidas em questão desde que a própria Instituição Tecnocrata Volk não corra riscos exacerbados.

Artigo Sexto:
Quando a Instituição Tecnocrata Volk estiver com recursos suficientes e em segurança para a sua continuidade e prosperidade, será dever desta aniquilar qualquer domínio abusivo, ditatorial, manipulador e que impeça que as pessoas deste planeta de tomar a sua decisão genuína, sem qualquer influência negativa. A seguir estão listados os tipos de instrumentos e métodos que poderão ser utilizados em ordem de prioridade maior até a menor:
1) Diálogo e negociação com os lideres declarados e não declarados da Terra.
2) Intervenção e espionagem.
3) Campanhas de revelação e infiltração em instituições da Terra.
4) Bombas econômicas e psíquicas.
5) Ameaça Militar.
6) Guerra Parcial.
7) Guerra Total.
8) Em ultimo caso onde os recursos de utilização estiverem esgotados e recursos diplomáticos e militares exauridos. É dever do soberano da Instituição Tecnocrata de Volk aniquilar a Terra afim de não mais ameaçar qualquer outra vida da Galáxia ou Universo.

Artigo Sétimo:
Em caso de morte da soberana (nome) e seus possíveis back-ups, desde íntegros, serão convocadas eleições democráticas através do melhor e mais seguro mecanismo possível. O soberano substituto terá poder imediatamente abaixo das demais organizações originais. Caso qualquer um dos conselheiros faleça na ausência de (nome), este indicará um substituto em segredo, guardado por Adin.

Artigo Oitavo
O novo soberano seguirá exatamente as premissas morais e legais desta Constituição, não cabendo à ele ou qualquer outro a alteração desta Constituição, mas somente à soberana primordial (nome).

Artigo Nono
Os garantidores desta Constituição por ordem de importância serão:
a) (nome); a soberana de TechVolk.
b) Adin; mecanismo tecnológico de cuidados de TechVolk.
c) Conselheiros cidadãos; elegidos por (nome) e Adin.
d) Senado de Volks; representantes dos cidadãos de TechVolk.
e) Os demais cidadãos de TechVolk.

Artigo Décimo:
A punição pelo desrespeito de qualquer uma das regras contidas nesta Constituição é a morte pelo método mais rápido e indolor possível. Será necessário, como em todas as mortes o descarte do corpo no Sol mais próximo para que não se comprometa o meio ambiente de TechVolk.

(...)

Como podem perceber, esta Constituição em grande parte se apoia sobre a sapiência de seu soberano. Garante também mecanismos para a permanência do mesmo no poder, mas como o apoio popular é fundamental pode-se notar a preocupação em manter os cidadãos ativos e dá tarefas importantes para os mesmos. Formando então a servidão do soberano para o povo, formando um perfeito equilíbrio. Há também mecanismos para momentos de crise, executando-os com perfeição não haveria problemas, mas como sabemos... O problema não é a lei ou a Constituição do País, mas sim as pessoas que as operam... Baseado neste defeito pretendo trabalhar o conflito de meu universo ficcional.

E então? Qual seria a sua Constituição? Qual tipo de ficção?

Abraços randômicos para todos e até a próxima.

domingo, 16 de outubro de 2016

Post Random #5 Filosofia pré-fabricada.



Olá caros leitores e escritores, hoje irei falar sobre algo que vem me incomodando há algum tempo; a filosofia pré-fabricada. Não sei se é por falta de tempo, preguiça de pensar ou pelo comodismo mesmo, mas as pessoas de maneira geral se cercam de filosofias (muitas vezes contraditórias entre si) e fazem uma colcha de retalhos com elas, desrespeitando vários pensamentos filosóficos de uma só vez.


Não vou citar exemplos neste post, pois ficaria muito longo. O que quero dizer é rápido e rasteiro; as pessoas têm que pensar sobre a sua posição na sociedade. Você não precisa se encaixar por inteiro em um grupo que tende a ter mais afinidade, basta reconhece-las e se diferenciar obtendo assim uma identidade única.
É obvio o que vou falar, mas é necessário para exemplificar as enxurradas de materiais iguais, "mais do mesmo" como já dizia Renato Russo. Posts nas redes sociais "resenhando" trailer (não vou nem citar os análogos no YouTube), pessoas que copiam opiniões umas das outras sobre filmes e séries, isto sem falar da polarização que existe em todos os setores da sociedade; não existe espaço pra opiniões moderadas. Vivemos tempos perigosos com as ideologias polarizadas e filosofias pré-fabricadas, não entendo como um ser humano pode ter um ponto de vista sobre tudo, sendo impossível conhecer todos os aspectos dos assuntos onde se encontra tal opinião. O que eu não entendo mesmo é como uma pessoa pode condenar o seu semelhante por ter uma opinião discordante; amizades desfeitas até guerras por intolerância.
Claro que é muito fácil falar "concordo com tal igreja por inteiro" ou ainda "fulano não concorda comigo, logo está errado", sem sequer levar em consideração os argumentos contrários, mudar de opinião ou não emitir uma, hoje em dia, parece um crime e todos parecem te condenar por isso.
Por estas e outras eu lhes digo; vocês têm o direito de não emitir opinião sobre tudo, tanto quanto é reservado o direito de não consumir tudo o que a mídia (virtual ou impressa) te coloca na cara. Você pode contrariar todos e ter uma opinião moderada ou falar "preciso saber mais sobre o assunto para obter uma conclusão", mas não se fruste se não conseguir chegar em nenhuma, pois cada um de nós têm uma aptidão para assuntos específicos; foi assim que a natureza nos fez.
Muito melhor não falar nada do que lançar "mais do mesmo" na rede. Pare, pense; se diferencie. Não apenas por ser diferente, mas será preciso pensar por conta própria para ser você mesmo.
Gostaram do post? Curtem, compartilhe e pense se você não está agindo no automático.
Abraços randômicos e até a próxima!









domingo, 9 de outubro de 2016

Post Random #4 Construção do mundo ficcional



Olá caros leitores e escritores. Conforme vamos construindo um mundo ficcional, nos baseamos muito no mundo real. Eventualmente construímos países e consequentemente; constituições. Neste post revelarei a minha experiência enquanto crio as regras de um universo ficcional baseado no estilo ficção científica / Space Opera.

Neste universo planejo escrever livros com romances ou contos numa série chamada Tecnocracia. Onde existem dois impérios vizinhos; a Terra e TechVolk. O segundo deriva do primeiro de onde surgiu uma inteligência artificial, só não revelarei o nome pra não dar eventuais spoolers de histórias futuras. Enfim, nela tive que montar o império de Tecnocracia de TechVolk. Vou fornecer a forma de constituição montada para este País fictício.
(...)
Constituição da Tecnocracia Volk.
Volk significa pessoa.
O conceito de pessoa terráqueo se refere a pessoa humana. De fato muito limitador para esta Constituição Volk.
Artigo Primeiro
Todo aquele ser que:
a) Se percebe como pessoa.
b) Aceita o conceito Volk de pessoa.
c) Respeita a vida Volk.
d) Enxerga todos os Volks como iguais.
e) Colabora com a continuidade desta Constituição.
Se encaixa como pessoa e cidadão Volk.
Artigo Segundo:
Todos os Volks (cidadãos de TechVolk) prometem proteger e se aliar com os ideais da Tecnocrata (Nome), soberana de TechVolk. Além de seguir esta Constituição e todas as regras postas nela, sem exceção alguma.
Artigo Terceiro:
TechVolk é uma instituição planetária tecnocrata onde a soberana (Nome) dita a palavra final conforme esta Constituição, sobre esta última está somente o bem estar e sobrevivência dos Volks e seus recursos de vida.
Artigo Quarto:
Todo ser inteligente que possivelmente se encaixe na percepção Volk de pessoa deve ser protegido e acolhido se assim desejar e tomar esta Constituição como base de comportamento e vida.
Artigo Quinto:
Quando não for possível o ser consciente ter o poder de tomar a decisão de se aliar a esta Constituição e seus ideais, seja por situação de guerra ou qualquer outro impedimento. É dever dos cidadãos Volks guardar e zelar pelas vidas em questão desde que a própria Instituição Tecnocrata Volk não corra riscos exacerbados.
Artigo Sexto:
Quando a Instituição Tecnocrata Volk estiver com recursos suficientes e em segurança para a sua continuidade e prosperidade, será dever desta aniquilar qualquer domínio abusivo, ditatorial, manipulador e que impeça que as pessoas deste planeta de tomar a sua decisão genuína, sem qualquer influência negativa. A seguir estão listados os tipos de instrumentos e métodos que poderão ser utilizados em ordem de prioridade maior até a menor:
1) Diálogo e negociação com os lideres declarados e não declarados da Terra.
2) Intervenção e espionagem.
3) Campanhas de revelação e infiltração em instituições da Terra.
4) Bombas econômicas e psíquicas.
5) Ameaça Militar.
6) Guerra Parcial.
7) Guerra Total.
8) Em ultimo caso onde os recursos de utilização estiverem esgotados e recursos diplomáticos e militares exauridos. É dever do soberano da Instituição Tecnocrata de Volk aniquilar a Terra afim de não mais ameaçar qualquer outra vida da Galáxia ou Universo.
Artigo Sétimo:
Em caso de morte da soberana (nome) e seus possíveis back-ups, desde íntegros, serão convocadas eleições democráticas através do melhor e mais seguro mecanismo possível. O soberano substituto terá poder imediatamente abaixo das demais organizações originais. Caso qualquer um dos conselheiros faleça na ausência de (nome), este indicará um substituto em segredo, guardado por Adin.
Artigo Oitavo
O novo soberano seguirá exatamente as premissas morais e legais desta Constituição, não cabendo à ele ou qualquer outro a alteração desta Constituição, mas somente à soberana primordial (nome).
Artigo Nono
Os garantidores desta Constituição por ordem de importância serão:
a) (nome); a soberana de TechVolk.
b) Adin; mecanismo tecnológico de cuidados de TechVolk.
c) Conselheiros cidadãos; elegidos por (nome) e Adin.
d) Senado de Volks; representantes dos cidadãos de TechVolk.
e) Os demais cidadãos de TechVolk.
Artigo Décimo:
A punição pelo desrespeito de qualquer uma das regras contidas nesta Constituição é a morte pelo método mais rápido e indolor possível. Será necessário, como em todas as mortes o descarte do corpo no Sol mais próximo para que não se comprometa o meio ambiente de TechVolk.
(...)
Como podem perceber, esta Constituição em grande parte se apoia sobre a sapiência de seu soberano. Garante também mecanismos para a permanência do mesmo no poder, mas como o apoio popular é fundamental pode-se notar a preocupação em manter os cidadãos ativos e dá tarefas importantes para os mesmos. Formando então a servidão do soberano para o povo, formando um perfeito equilíbrio. Há também mecanismos para momentos de crise, executando-os com perfeição não haveria problemas, mas como sabemos... O problema não é a lei ou a Constituição do País, mas sim as pessoas que as operam... Baseado neste defeito pretendo trabalhar o conflito de meu universo ficcional.
E então? Qual seria a sua Constituição? Qual tipo de ficção?
Abraços randômicos para todos e até a próxima!

sábado, 8 de outubro de 2016

[Ciência] O Efeito Doppler

Olá caros leitores e escritores, hoje em mais um post sobre ciência, trago-lhes um conceito vindo da física; o Efeito Doppler.

Muitos de vocês podem ter tropeçado em algum lugar onde havia relação com o efeito Doppler, mas se não sabe lhes darei algumas dicas a seguir.

Entendendo o conceito:
Imagine uma mola, isto mesmo, agora comprima este objeto imaginário. Você certamente deverá fazer alguma força para manter o objeto na mesma formatação, isto significa que há uma energia acumulada no mesmo. Vamos fazer uma correlação entre a mola e a observação deste efeito; em uma ponta da mola está o observador, na outra o objeto a ser observado. Nesta situação há um acúmulo de energia (ou ondas) entre os dois pontos, também podemos ver que há uma menor distância entre eles, portanto esta situação representa a aproximação do objeto. Esta conclusão pode ser tirada através da observação das ondas (mais comprimidas) em relação ao seu estado anterior, quanto mais rapidamente estas ondas desviarem pro azul (representando a compressão da mola), mais rápido o objeto está se aproximando.

Desvio pro Azul:
Se colocássemos um aparelho (espectrômetro) para observar estas ondas em relação à uma bola vindo em sua direção, poderíamos dizer em qual velocidade este objeto estava ao se encontrar com seu rosto. Podemos aferir com segurança o desvio do objeto para o azul, equivalendo a compressão da mola.

Desvio pro Vermelho:
Quando um objeto astronômico, uma estrela por exemplo, está se afastando do observador (Terra). É interessante ressaltar que o desvio pro vermelho também pode ser usado para determinar a taxa de expansão do universo. Podemos dizer em qual proporção o universo está se expandindo através do afastamento dos objetos, equivalendo ao esticar da mola em nosso experimento mental.

Utilização:
O efeito Doppler é basicamente um instrumento para a técnica de observacional astronômica, onde o objeto em questão deve ser observado diretamente, assim temos seu tamanho aproximado, velocidade e direção.

Primeira Constatação do Efeito Doppler:
Tal efeito foi observado no campo de estudos da acústica, isto mesmo; sabe quando um carro buzinando passa por você na rua? O som acumulado está vindo comprimido em sua direção enquanto o carro ainda não passa por você; o caso inverso ocorre quando o carro se afasta em relação ao ouvinte, dando espaço as ondas sonoras. Podemos novamente comparar com a mola, ficando bem fácil a observação do efeito.

Através do movimento das ondas sonoras, este conceito foi extrapolado para as ondas de luz, explicando as observações e consequentes desvios na coloração dos objetos; pro azul e vermelho. Fundamental constatação para a astronomia atual.

Gostaram do post? Comentem aí embaixo.

Abraços randômicos e até o próximo post!

domingo, 2 de outubro de 2016

[Ciência] Peso, massa, volume e densidade.

Olá caros leitores e escritores, hoje irei abordar mais um pouco sobre a ciência. Novamente um conceito "Matéria". Considere este post como uma introdução sobre o comportamento da matéria como um todo. Meu caros; a diferença entre; peso, massa, volume e densidade.

Primeiramente temos que ter em mente que quando falamos "Eu peso 80 quilos." Esta frase é cientificamente incorreta, explicarei.Quando você fala em peso, na verdade está falando sobre sua massa "Eu tenho a massa de matéria de 80 quilos." A massa é medida em quilos, portanto o peso é medido em Newtons, representado pela letra "N", sendo a força exercida pela gravidade sobre a massa (80 quilos) de seu corpo. Então temos a fórmula matemática; peso é igual à massa multiplicado pela força gravitacional exercida (P = m*g). Se preferir; a força é o resultado da massa (80 quilos) multiplicado pela aceleração, sendo a força medindo em Newtons, massa medida em quilos e a aceleração em metros por segundo (m/s). Sim esta foi uma referência ao modo de como as fórmulas matemáticas eram escritas na época de Newton; por extenso. Lembrando que esta fórmula é um modelo e ignora variáveis como a resistência do ar, por exemplo, mas como medida de matéria e forma de explicação sobre os conceitos de massa, peso e aceleração,funciona muito bem.
Superada esta primeira explicação, podemos seguir para o volume e densidade. Volume é a quantidade de espaço que uma determinada matéria ocupa no espaço. E não, não é o espaço sideral, mas o espaço onde o objeto está situado. A densidade, por sua vez é a concentração desta matéria dentro de um determinado volume, vamos à um exemplo prático. Pegamos um quilo de gelo e outro de água; as diferenças dos dois materiais são a densidade e o volume, pois têm exatamente a mesma composição. A maneira de como a água se distribui no espaço é dispersa, enquanto no gelo as moléculas estão bem comprimidas.

Então pessoal, gostaram deste tipo de assunto? Conseguiram entender (se ainda não compreendiam sobre este conceitos)? Deixem aí nos comentários!

Post inspirado por ScienceVlogs Brasil.

Abraços randômicos à todos e até a próxima.

domingo, 25 de setembro de 2016

Post Random #3 Parceria 1001 Nuccias.

Olá caros leitores e escritores, hoje irei falar sobre a natureza da parceria com o blog 1001 Nuccias (http://1001nuccias.blogspot.com.br/) e sobre minha primeira resenha literária por lá.
Gostaria de agradecer publicamente à Nuccia por confiar em participar de sua equipe e espero que esta parceria dure por muito tempo. A produção do blog é alucinada e frenética, gosto muito de fazer parte, mesmo que pequena, deste grande trabalho.
Agora sobre a resenha. O livro em questão é o conto "Ode de Sangue" escrito pela fabulosa Nana Garces, cuja a biografia deixarei logo abaixo:
Nascida em Florianópolis, Nana Garces vive atualmente numa cidade da Grande Florianópolis, chamada Palhoça, onde mora com seu marido e cachorro. É formada em Serviço Social pela Universidade Federal de Santa Catarina. Sempre gostou muito de criaturas fantasiosas, mesmo em suas primeiras leituras Nana já demonstrou interesse pelo mundo sobrenatural. Seu interesse por escrever surgiu nos jogos de RPG e em fanfics quando ainda jovem. Com o tempo conheceu autoras como Charlaine Harris e Anne Rice, grandes influências para formar sua escrita. Escrever sempre foi uma diversão, apenas no começo de 2016 que foi desafiada por uma amiga a escrever um conto de suspense e essa experiência a levou a novos caminhos.
Hoje, Nana possui duas publicações na Amazon, um conto (Estoy de Acuerdo - Um atendimento do destino) publicado na antologia Vidas que se Encontram e o e-book Ode de Sangue - Memórias Vampirescas.
Visitem suas redes sociais:
Facebook (https://www.facebook.com/autorananagarces)
Instagram (https://www.instagram.com/nana.garces/)
Twitter (https://twitter.com/_nanagarces)
Wattpad (https://www.wattpad.com/user/nanagarces)
(...)
Sinopse de "Ode de Sangue":
Título: Ode de Sangue.
Série: Memórias Vampirescas.
Autora: Nana Garces.
ISBN: B01KU4WUQ2.
Ano: 2016. Páginas: 73.
Idioma: Português.
Editora: Essência Literária.
Gênero: Fantasia / Fantasia Urbana / Literatura Brasileira.
Adicione ao Skoob [https://www.skoob.com.br/ode-de-sangue-610120ed610428.html].
Compre: aqui [https://www.amazon.com.br/Ode-Sangue-Vampirescas-Nana-Garces-ebook/dp/B01KU4WUQ2].
Sinopse:
Com quase quatrocentos anos, a Vampira Madalena busca a salvação de sua alma vivendo e trabalhando dentro de um monastério católico. Diferente do que parecia natural, essa vampira está acostumada com a religião e seus símbolos. Foi apenas quando se depara com alguém de fé verdadeira que Madalena sente a maldição de sua raça arder sob a pele.
Colocada em uma situação de vida ou morte, ela apenas tem um pedido, que ela possa contar sua vida para alguém, para que sua existência como humana e seu despertar para o dom da noite não desapareça com sua morte.
Narrado em primeira pessoa, Madalena fala um pouco de como era a Itália do séc. XVII, descreve suas dificuldades e suas paixões pela arte, leitura e música. Mesmo antiga, sua humanidade e amor pela raça humana apenas crescem, e é com esse pensamento que Madalena narra sua experiência enquanto mulher e religiosa.
(...)
Também existe outra publicação dela que ainda não li, segue a sinopse pra quem estiver interessado em conhecer:
Participação na Antologia romântica da Essência Literária.
Título: Antologia Vidas Que Se Encontram.
Autoras: Nana Garces, L.L. Alves, Fê Friederick Jhones e Ju Santander.
ISBN: B01GW713EQ.
Ano: 2016. Páginas: 72.
Idioma: Português.
Editora: Essência Literária.
Formato: E-book.
Gênero: Romance / Contos / Antologia.
Adicione ao Skoob. https://www.skoob.com.br/antologia-vidas-que-se-encontram-593745ed594939.html
Compre: na loja da EL http://www.essencialiteraria.com.br/produto/antologia-vidas-que-se-encontram-ebook/ ou na Amazon https://www.amazon.com.br/Vidas-que-Encontram-Antologia-Contos-ebook/dp/B01GW713EQ.
Sinopse:
Vidas que se Encontram é uma antologia de quatro contos, onde cada casal encontra sua alma gêmea de maneiras inesperadas.
(...)
Enfim, gostaria muito em agradecer a autora por sua obra e lhe desejar sucesso em sua empreitada.
Alem de pedir desculpas pela minha ausência nas redes sociais, pois estou preparando alguns produtos literários, um deles sairá no final do próximo mês (assim espero) tendo duas versões gratuitas e uma paga (se por acaso quiserem colaborar com este que vos escreve e/ou quiser minha obra em formato ebook), gostaria de agradecer a todos que me visitam por aqui todos os dias. Espero que gostem do material prepararei pra vocês.
Abraços randômicos para todos e até a próxima!

domingo, 18 de setembro de 2016

Post Random #2 Amo o meu País, mas...



Olá caros leitores e escritores, hoje irei falar sobre um assunto que não costumo abordar, mas tendo em vista a situação política do País, não tive outra escolha a não ser estudar este fenômeno da forma mais isenta possível. Lembrando que não sou nem de esquerda, muito menos de direita; sou do centro ou encima do muro.
Neste post irei ignorar as posições polarizadas e obscurecidas pelo fanatismo político, posicionarei-me afim de resolver algumas falácias que têm ganhado força nas mídias sociais. Neste mundo de hoje informação é mato, mas apenas a verdade deve ser digerida. Não podemos ser regidos como gado, seja pelos políticos ou pastores e padres desta nação, mas sim abrir os olhos e procurar uma posição única; não arregimentada por movimento "x" ou "y".
Vejamos os fatos; a antes mandatária da nossa nação foi julgada e condenada por corrupção, vendo isto um dos seus comparsas, legislando em causa própria, conseguiu a anistia política, pois o mesmo era investigado por crimes até mais graves. Isto, meus caros, abre uma porta gigante para a corrupção, rasga a constituição e joga fora o esforço do povo para a execução da mais importante lei contra a corrupção na máquina do estado; a ficha limpa.
O outro lado, aquele que assumiu este País quebrado, também é permeado de intenções politicas na desconstituição da ex. O meu conselho (não que seja referencial para alguém) é; não defenda político, não coloque a mão no fogo por ninguém, pois a possibilidade de se queimar é grande.
Eles estão aproveitando este rebuliço todo na política brasileira para; adivinha! Aumento de salários dos juízes do STF. Não é atoa que eles também rasgaram a constituição junto com o legislativo. Na minha humilde opinião, todo o aumento de salário deveria ser votado pela população em formato de eleições, desta maneira iriam respeitar mais a população; verdadeira e única mandatária do Brasil.
Por fim gostaria de ressaltar que erros foram cometidos de todos os lados, incluindo a população por não usar o seu poder para mudar algo verdadeiramente. No final tudo aqui no Brasil termina em acordos, pizza e derrotas da grande maioria da população.
Deixem aqui a sua posição e/ou link do(s) posts que vocês fizeram a respeito!
Estou de luto pela situação em que está o meu País. Como diz na imagem:
"Eu amo o meu País, mas odeio este governo sujo." ... Que arrocha a população com o aumento de tributos e obrigações.
Abraços randômicos para todos e até o próximo post.

domingo, 11 de setembro de 2016

[Ciência] Método Científico

Método Científico.

O que é? 

Olá caros leitores, nesta série de artigos irei escrever um pouco sobre o aparentemente complicado método científico. O que ele é, o que produz e afinal; o que você tem com esse tal método científico? Primeiramente vamos ver o que aprendi vendo vários canais no YouTube e consumindo podcasts de divulgação científica, além do motivo de querer falar sobre isso; hoje vemos muita besteira na internet, assisti várias horas de documentários, artigos e canais sem nada a dizer. O meu intuito aqui é que você desenvolva o filtro necessário pra não perder tanto tempo quanto eu. Obviamente eu simplificarei o máximo possível sem perda significativa de conteúdo.

Você, caro leitor, precisa saber que o método científico é a melhor maneira de averiguação de hipóteses e teorias que o ser humano já inventou. Vamos aos seus princípios básicos:

1) A teoria ou hipótese deve ser testável e replicável por outras pessoas, ou seja, qualquer pessoa com o mínimo de instrução sobre o assunto abordado (além de recursos necessários), deve ser capaz de testar e reproduzir o experimento, para que ele seja aceitado. Comumente conhecemos isto como "revisão por pares".

2) Evidências anedóticas e teorias não falseáveis não são cobertos pelo método científico, ou seja, se você diz que foi abduzido, mas não tem nenhuma evidência além de sua memória, logo sua experiência pode ser válida como experiência, mas não pode ser usada como prova que algo existe e que sua teoria ou hipótese é verdadeira. Lembra do primeiro item? Pois é, sua evidência anedótica não forma uma hipótese testável muito menos ser falseável, ou seja, ser provada como falsa.

3) Para elaborar uma hipótese ou teoria temos que ter em mente dois questionamentos; o primeiro é que ele esteja apoiado sobre evidências claras, o segundo é que a hipótese mais simples (e mais bem pautada de evidências) deve ser a favorita ou melhor; a hipótese mais simples provavelmente deve ser a verdadeira ou mais próxima da verdade.

Sendo assim podemos usar o seguinte exemplo; sabe aquelas organelas contidas nos diferentes tipos de células e tudo mais que sabemos sobre organismos microscópicos? Pois bem, ser você estudar sobre e saber identificar estas nuances, não precisa acreditar puramente nos pesquisadores, basta ter um microscópio e constatar que tudo o que disseram que estariam lá; está! Ser tiver algo diferente, das duas uma; ou você descobriu algo novo, ou simplesmente você descobriu algo conhecido que você desconhecia.

Se você ainda não compreendeu como funciona o método científico, não se preocupe, pois este assunto deve ser aprofundado com mais calma e também refletido. Eu mesmo demorei muito pra entender o método científico e tudo mais que virá nesta série de artigos. A intenção deste texto é despertar a curiosidade sobre a ciência, que é algo muito curioso; quanto mais você conhece, mais quer conhecer. Cheguei até o mundo da ciência através do desejo de escrever sobre ficção científica e você; qual vai ser a sua porta de entrada pra este maravilhoso mundo?

O que ele produz?

Olá caros leitores, hoje irei falar um pouco sobre o que o método científico produz; a filosofia da ciência! Qual o motivo por chamar a ciência de uma filosofia? A explicação é que a ciência (pautada no método científico) é uma forma de enxergar a natureza e seus fenômenos, ou seja; uma filosofia. Dentre as tantas outras filosofias existentes a da ciência (conhecimento) é a que nos dá maior sustentação para a explicação para os fenômenos naturais.

Nisto, meus caros leitores, já expliquei o que é ciência de uma forma simplificada o suficiente para entrarmos na fase seguinte deste texto. O que é afinal produzir ciência?
Podemos traduzir como "produzir conhecimento" sobre os fenômenos naturais. Estes eventos ocorrem independente do seu estudo, o que quero dizer; por mais que tentamos colocar ordem e submeter classificações para a natureza e seus eventos, ela será um sistema caótico e desordenado. A filosofia da ciência tenta dar ordem e classificar os elementos, fenômenos e o modo de ocorrência dos mesmos.

Como exemplo do caos ocorrente na natureza podemos pegar a taxonomia (estudo das morfologias de vida, explicando de uma forma bem simplificada); até hoje não se consegue definir de uma maneira prática a divisão dos reinos, filos e espécies (neste último os cientistas estão usando técnicas de sequenciamento de genoma para definir estes grupos). Outra dificuldade neste ramo (taxonomia) é a grande variedade de microrganismos e vírus a serem estudados, além de existir grandes variações entre o reino das bactérias por exemplo. Estas variações são tamanhas que podemos equiparar esta diferença como a que temos entre fungos e algas. Este último grupo por sua vez é outro paradigma para este setor da ciência, pois não consegue-se encaixar em nenhum reino com perfeição. Por enquanto pra separar os reinos e filos, a taxonomia utiliza o método de conjunto de características, sendo separados muitas vezes por diferenças mínimas, principalmente os filos e famílias. Estas duas são umas das que mais sofrem com a classificação taxonômica.

Sei que posso ter dado exemplos um pouco complexos, mas o motivo é que espero que vocês visitem minhas fontes e materiais extras destas fontes, dentre eles estão podcasts, canais e blogs de divulgação científica. Não é meu foco aqui se aprofundar muito, pois este blog é um lugar de experimentos literários e isto exige conhecimento de diversas áreas; pretendo falar aqui de tudo e um pouco.

Quais são os seus frutos? 

Devemos ter em mente que o inicio do método científico, como praticamente tudo o que conhecemos da filosofia da ciência, aconteceu na Grécia antiga com os grandes filósofos. Principalmente avanços na matemática com a medição da circunferência do planeta, incluindo também a engenharia militar e arquitetura. Aí já podemos ver que estes conhecimentos vem até os dias de hoje, mas como?

Ficaria muito longo para um simples post em blog, pretendo falar em séries de postagens específicos, mas vou explanar um pouco isto aqui através de exemplos.

No antigo Egito podemos ver a ciência agindo no gerenciamento da agricultura, utilizando o fluxo do rio Nilo que antes era imprevisível. Com o tempo os povoados que moravam às suas margens observavam padrões de cheias e secas ao longo do tempo, construíram canais por meio do conhecimento em engenharia e na observação prévia. Notaram o método científico aí? Além do método científico houve um conhecimento prévio construído através dos séculos.

Outro exemplo interessante são as tubulações de esgoto e água da própria Grécia, tendo versões modernas no Império Romano e mais; inspiraram até as tubulações atuais.

Isso sem falar dos grandes inventores modernos, que sem os quais não poderíamos ter a tecnologia que temos hoje em dia. Nicola Tesla é um dos meus favoritos; ele fez avanços imensuráveis no campo do electromagnetismo, lançando as bases para toda a tecnologia atual.

Muito bem, viram como a ciência construída tijolo por tijolo, teoria por teoria e experimento por experimento nos deu base pra absolutamente tudo; desde o nosso sistema de saneamento e distribuição de água e energia, até as construções de templos, adequação da agricultura, previsão climática e circuitos eletrônicos usados em tablets, celulares e computadores. Tudo o que foi construído até os dias atuais, foi forjado pelo método científico e a tecnologia desenvolvida através dele.

Neste post podemos justificar a frase do grande cientista e divulgador científico Neil Degrasse Tyson "posso enxergar mais longe porquê me apoio em ombros de gigantes" se referindo aos cientistas, pensadores e filósofos que ajudaram a construir todo o conhecimento usado nos dias de hoje.

Diga o que vocês pensam sobre o método científico e se este artigo ajudou a entendê-lo. Vocês já sabiam o que é o método científico? Deixem nos comentários.

Abraços à todos!

Inspirado por:

domingo, 4 de setembro de 2016

Post Random #1



Olá caros leitores! Hoje será um post curto...

Estarei reestruturando o blog. Pra quem ainda não sabe estou em parceria com a autora Nuccia do blog As 1001 Nuccias. Lá produzirei algumas resenhas, cujas estarão linkadas aqui em breves posts. Continuarei abrindo espaço para resenhas de novos autores por aqui (pra quem estiver interessado, além dos links para redes sociais na lateral do blog, tenho o formulário de contato e o email). Mas para dar vazão para esta nova demanda, minhas postagens serão mais comedidas e pensadas, funcionará da seguinte maneira:

1) Resenhas de novos autores; uma por mês se houver interessados. Tag [Resenhas

2) Conteúdo sobre escrita; dicas sobre regras de português, narração, técnicas... Enfim, tudo que vou aprendendo na minha jornada como escritor.

3) Textos próprios; poemas, minicontos e projetos de romances. Todo material produzido por mim ou em eventuais parcerias e divulgação dos mesmos.

Estes serão os tipos de conteúdos expostos aqui no blog. Também pretendo compilar todo o conteúdo que produzi até hoje e disponibilizar em formato e-book, tanto de forma gratuita quanto na Amazon. Bom, finalmente estou começando a me encontrar como escritor que pretendo ser.

Para aqueles que ainda buscam escrever, podem me contactar pelo email, assim podemos fazer uma espécie de oficina para trocar experiências sobre o ao da escrita, consequentemente produzir conteúdo para este blog, fazendo com que seja mais útil para que está começando a escrever. Para quem ainda não sabe, estou escrevendo a mais de três anos, seriamente e desde os quinze de maneira amadora e com muitos erros.

Enfim, dedicarei os próximos meses para arrumar o blog, vocês poderão observar posts antigos sendo removidos e publicados logo em seguida. Ainda não tem prazo para terminar esta "reforma", mas assim que terminar informarei para vocês por aqui mesmo em um post novo.

Abraços Randômicos à todos e até a próxima!

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Ortografia: Artigo após a virgula.

Olá caros leitores e escritores, hoje irei falar de algo que vem me incomodando muito em textos na internet, desde posts até quadrinhos; o artigo após, a vírgula (aqui tem uma licença poética XD)

Gente; eu sei que pode parecer difícil e talvez até eu mesmo tenha cometido esta gafe mais de uma vez, mas há certas coisas que temos que nos policiar para que não aconteça. O artigo após a vírgula muitas vezes pode representar uma pausa natural do escritor durante o texto, mas uma vez que você treine para detectar este tipo de falha dificilmente você cometerá este erro. Sem duvida pretendo revisar os textos contidos no blog para que sejam isentos de erros, pois eu penso que quando se alerta sobre algum erro ortográfico, você mesmo não pode comete-lo, caso faça que seja por puro engano, mas nunca por falta de revisão.


Os casos se tornam mais graves quando estes erros ortográficos surgem num texto que você tenha pago. Já adianto aqui o meu compromisso de minimiza-los quando colocar algo para vender que seja de minha autoria. Imagine; você lê um texto cuja a historia é boa e as cenas são subsequentes (quando a primeira cena leva naturalmente para a próxima), mas você acha uma leitura difícil, sabe o motivo para isto acontecer numa história onde te interessa? É bem isso; artigos após a vírgula.


Também existem outros erros ortográficos comuns ao texto que pretendo abordar aqui, assim como as minhas próprias dificuldades com eles. Mas este texto é apenas o inicio de mais uma categoria aqui no blog. Conforme avanço em meus estudos como escritor, exercito a minha escrita e conhecimentos colocando aqui no blog, também gostaria que este tipo de conteúdo ajude alguém que queira mesmo escrever. Mas há uma coisa que não posso fazer pelos aspirantes como eu; escrever de fato.


Gostaram do post? Então curtam, compartilhe e retuítem para que todos saibam da boa nova! XD.


Abraços randômicos para todos e até a próxima.

terça-feira, 9 de agosto de 2016

[Resenha] Todos os Mentirosos

Olá caros leitores, hoje postarei uma resenha do livro "Todos os Mentirosos" de Lucas Mota. Conversei com ele e alem de escrever bem é muito gente boa!

O livro tem 208 paginas e trata-se de um romance ficcional realista com aspectos fantásticos, já adianto que só lendo para entender. Também gostaria de expressar o quão boa foi a leitura, nos faz pensar um pouco sobre atitudes impulsivas que temos na maioria das vezes. Esta história, caros leitores, nos mostra o quão frágeis somos em nossas decisões.

O livro em questão está em pré-venda aqui.

Site do autor

Sinopse e crítica:

O livro "Todos os Mentirosos" conta a história de Leonardo Martínez; um jovem rapaz em seu primeiro emprego e... Entediado pelo mesmo. O que você, caro leitor, precisa saber dele é que não é de seu agrado mentir ou escutar mentiras, por conta disso ou qualquer outra aleatoriedade ele recebe uma dádiva que o leva para um caminho obscuro; o autoconhecimento.

Muito bem pessoas, vamos para os aspectos do livro e minhas percepções. Não cumprirei o desejo que o autor expôs em seu posfácio; escrever uma resenha negativa, até porquê eu gostei do livro. Tem uma boa e simples trama, os personagens são bons, mas não todos. Se adquirirem o livro vocês vão conhecer o diretor do Canal 4, as motivações dele, apesar de bem construídas; são fracas. Mas assim é na vida, me pareceu verossímil justamente pelas falhas das motivações, pois como o livro é narrado em primeira pessoa você acaba não conhecendo nenhuma muito dos outros personagens, apesar do autor usar recursos interessantes para contar estas micro histórias.
Outro ponto importante para ressaltar é que você deve se preparar para ser transportados para lugares de uma hora para outra, o autor não gasta tempo descrevendo os lugares que não são importantes para o Léo. A narrativa também simula uma colcha de retalhos em formato de pensamentos e lembranças do personagem, emulando com perfeição e transparência a mente de Léo.

Alerta para aqueles que tem cabeça fechada para o pensamento filosófico; aqueles cegos pela religião e política podem odiar facilmente o personagem. Também alerto aqui um pouco do conteúdo sentimental do livro, ele contém; culpa, rancor, ódio, amor, amizade, carinhos e... Não darei detalhes, afinal você terá que ler pra crer!

Como fiz no último livro "Imagine Comigo" de Daniele Katayama, darei aqui as minhas notas baseadas em minhas percepções:

Voz do escritor: 7,6 (personalidade)
Roteiro: 9,0 (criação, desenvolvimento, viradas e desfecho)
Ambientação: 6,3 (descrições do ambiente e aspectos gestuais dos personagens)
Coerência: 8,5
Diagramação: 8,8
Capa: 8,0 (Ilustração, Título, montagem da sinopse e primeiras impressões).
Levando em consideração os mesmos pesos para todos os critérios acima listados a nota final é:
8,0 !!!

Então? Gostaram da resenha? Gostaram da minha opinião sobre os aspectos da obra? Coloca aqui o que acha! Compre o livro e deixe aqui o seu ponto de vista, além de resenhar lá na Amazon pra apoiar o autor. 

Quer ser resenhado? Contacte-me!

Abraços Randômicos pra todos e até a próxima! 

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Escrevendo: Textos vazios.

Olá caros leitores e escritores. Estou aqui hoje para escrever um texto sem sentimentos e sem conteúdo.

Brincadeirinha, hoje irei falar um pouco sobre os diversos textos que encontramos na internet e muitos deles são encomendas dos clientes; seja pra vender um produto ou apresentar um curso. Mas então qual seria a solução para capturar o leitor com a demanda que se tem nos dias de hoje; diversos cursos, e-books, infoprodutos e produtos convencionais. Como venderei a minha marca sem beirar o sensacionalismo que um escritor em busca de dinheiro pode fornecer? Isto exige uma mudança de paradigma, pois vender um produto não é descrever friamente as suas qualidades ou o que você vai aprender naquele curso. Quem escreve sobre um produto a ser vendido deve antes experimentar a sensação de ser cliente, pois sem esta experimentação não haverá profundidade em seu texto. Não que eu ache que meus colegas de oficio não deveriam escrever estes textos, mas que a empresa que os contrata deveria realizar a experimentação do cliente com quem irá escrever o texto sobre os seus produtos.


Já fui em varias entrevistas e também obtive vários relatos de profissionais de venda expostos ao seguinte "desafio"; o entrevistador fala o seguinte:


"Venda esta caneta, pode inventar qualquer qualidade especial para ela e usa-la como argumento."


A minha concepção de venda é inversa; você deve estudar as qualidades e defeitos de seu produto e desenvolver os argumentos sobre um produto real, isto dá veracidade e profundidade ao argumento de venda ou ao texto informativo de venda (carta de vendas). É inconcebível para mim, tanto como escritor quanto profissional de vendas, que existam vendedores que possam se basear em percepções superficiais sobre o produto. Para tudo que se fala e escreve deve haver estudo sobre o assunto abordado, caso contrário será muito difícil angariar novos clientes para determinado curso ou produto. E outra coisa que se deve ter em mente; se um texto não chamou a atenção do cliente, esta atenção não merecia ser capitada. Pois das duas uma; o seu produto não interessa para aquele tipo de cliente (a maioria das empresas acreditam nesta hipótese) ou seu texto não traz a experiência verdadeira de alguém que experimentou tal produto ou curso, pois não traz conhecimento e conteúdo para que o cliente em questão tenham informações solidas para tomar a decisão. O resultado disso é que o cliente não compra o produto ou ainda compre e crie mais expectativa do que ele cumpre, tornando-se inferior na visão do cliente em relação àquele produto que foi mais condizente com o seu desempenho descrito em textos publicitários, cartas de venda ou vendas diretas.


Não sei escrever um texto sem estudar minimamente o assunto, confesso que gostaria de ter esta habilidade. Mas pensando melhor; quem escreve e fala sobre aquilo que estuda, garante maior confiabilidade em sua fala e escrita e portanto tem os pés bem presos ao chão e não cai em textos vazios onde poderiam ser iludidos a comprar um produto potencialmente enganoso.


Gostaram do post? Curtam, comentem e compartilhem!


Abraços Randômicos à todos!

quinta-feira, 21 de julho de 2016

História: Anacronismos.

Olá caros leitores e escritores. Hoje irei despejar um pouco de um dos conceitos históricos aprendidos por mim ao realizar a pesquisa para o livro "Ômega Volk: A Margem da Maldade." Ainda em produção. Anacronismos; o que são, onde vivem e do que se alimentam... Não, não é Globo Repórter.

Foto retirada de http://ined21.com/el-anacronismo-de-la-formacion-en-espana/

Os anacronismos históricos de uma maneira bem simplificada, até porque não sei explicar da maneira mais complexa (risos), estão separados em pelo menos dois tipos; aqueles relacionados ao julgamento de valor após o fato histórico e os que se referem a relatos do passado contendo elementos que não pertencem àquela época.

Ficou confuso? Vamos desenrolar o carretel...

Primeiro ao julgamento de valor. Vou dar um exemplo simples; alguém que você conhece passou por uma situação difícil e você julga as consequências de seus atos e diz "Se ela fizesse isso... Teria sido diferente..." Fazemos isso o tempo todo, não é mesmo?

Agora vou falar do anacronismo a respeito de elementos não pertencentes ao tempo histórico. É bem simples na verdade; Vikings usavam relógio de pulso? Obviamente não, mas este é um exemplo de anacronismo!

Este segundo foi fácil perceber, né? Então vamos voltar ao primeiro. Darei um exemplo histórico:
Na Alemanha Nazista se exterminava judeus. Hitler até preservou uma das cidades invadidas para que servisse como "Zoológico de judeus". Então cometemos o anacronismo histórico quando pensamos "Os Aliados decidiram acabar com o Terceiro Reich de uma vez por todas por conta desse extermínio" quando na verdade eles nem sabiam de tal fato! Eles atacaram pois tinham que eliminar o Eixo, caso contrário a soberania de seus países seria derrubada, este é o real motivo do esforço de guerra dos Aliados. Ah, mais uma coisa; os Aliados não eram bonzinhos, pois além de devolver os refugiados para os alemães, também havia um forte preconceito contra os negros e as mulheres naquela época. O discurso de que os Aliados salvaram o mundo dos nazistas além de ser anacrônico é de certa maneira manipulador. Mas não vamos prolongar este assunto.

Vocês viram como anacronismos são? Principalmente quando se trata de julgamento de valor após o fato, pois nunca saberemos como foi tomar decisões no lugar daquele líder histórico ou aquele conhecido. A não ser que tenhamos uma maquina para viajar no tempo ou passar pela situação que o conhecido em questão passou.

Lembro aqui que penso não ser nada demais cometer anacronismos em ficções, desde que bem embasadas e que sirvam ao objetivo da narrativa.

Gostaram do post? Comente, compartilhe.
Não gostou do post ou tem algo errado? Corrija-me por gentileza aí nos comentários que logo acertarei.

Abraços Randômicos e até a próxima!


Inspirado por:
Dragões de Garagem
PODEntender
Nerdologia
Scicast Podcast
Science Blogs Brasil
Science Vlogs Brasil 
Xadrez Verbal
 

quinta-feira, 14 de julho de 2016

Escrevendo: A Primeira e a Terceira Pessoa.

Olá caros leitores e escritores! Estou aqui para falar sobre as narrativas em primeira pessoa. Sei que não escrevo neste método ainda; sou clássico, prefiro a narrativa em terceira pessoa.

Pois bem, preciso lhes dizer o motivo de minha preferência pela narrativa em terceira pessoa:

Primeiro que o narrador onisciente é melhor para contar uma história sem se preocupar com os seus pormenores. Em segundo lugar a terceira pessoa nos permite falar em uma linguagem mais poética e culta, livrando-se das idiossincrasias do narrador personagem.

Mas mesmo assim tenho que admitir as vantagens de se escrever em primeira pessoa:

Em primeiro lugar você pode se aprofundar mais em uma história, se colocando na pele do personagem. A segunda vantagem é que a narrativa, uma vez o escritor vestido do personagem o livro será mais fácil de ser produzido, ou seja, torna-se mais natural a sua concepção.

Preciso ressaltar as desvantagens de escrever em terceira pessoa:

Obviamente é o contrário das vantagens de escrever em terceira pessoa; a impessoalidade e o afastamento do leitor para com a história. Mas devo ressaltar que com algumas técnicas de escrita você poderá superar estas dificuldades. Mais adiante em outros posts pretendo abordar estas técnicas que por sinal ainda estou estudando.

As desvantagens e dificuldades de escrever em primeira pessoa são as seguintes:

O personagem não é onisciente e você se obriga a se restringir ao ponto de vista do narrador personagem. Mas você também poderá superar isto com técnicas de narração múltipla ou sobreposta, dando mais dimensões ao livro. Pretendo um dia aborda-las mais a fundo por aqui também.

Por fim, devo lhes dizer que muitos autores iniciantes, assim como eu, comete um erro básico ao narrar em primeira pessoa que é narrar fatos cuja o personagem narrador não tem como saber! Pra ser justo na terceira pessoa muitos autores também cometem erros óbvios; eles não passam emoção, gerando uma narrativa difícil de ler. Mas como disse anteriormente podemos superar estas dificuldades através de técnicas que devemos treinar.


Lembrando sempre para vocês que tudo que escrevi neste post demonstra a minha percepção como leitor e autor. Se quiserem discutir ou têm uma visão diferente, coloca aqui nos comentários pra que gere uma riqueza maior no conteúdo do blog 😉.


Bom, eu uso este blog para melhorar os meus textos e vocês? Digam aí nos comentários!


Abraços randômicos e até mais!

terça-feira, 12 de julho de 2016

[Resenha] Imagine Comigo.


Olá caros leitores, hoje irei fazer algo diferente, por se tratar da segunda fase do blog. Hoje irei colocar uma resenha que fiz sobre o livro "Imagina Comigo" de D. B. Katayama, por sinal adianto aqui que gostei muito, mas como gostos são apenas pontos de vista, gostaria de deixar aqui pontos técnicos para que os futuros leitores desta autora em formação julguem por si mesmos se vale ou não apena conhecer a história de Mali.


O Livro "Imagine Comigo" é uma obra de ficção juvenil de publicação independente da autora D. B. Katayama.
Revisão: Rosely Pereira Maia.
Imagem de Capa e Ilustrações: Henrique Candido.
Capa: Gian Felipe


Sinopse:
O ano é 3700, onde, para se proteger da radiação existente no planeta e de mutantes canibais, a última cidade sobrevivente se mantém isolada dentro de uma enorme redoma de vidro. Uma missão especial leva Medy para fora dos portões, mas algo dá errado e ela fica exposta à radiação. Quando descobre estar grávida, procura esconder de todos por medo de ser expulsa. O resultado dessa gravidez é uma linda menina albina, de olhos violetas... E sem boca. Com a morte de Medy, a bebê Mali fica aos cuidados de seu pai, um monstro egoísta e amargo que a trata como um bicho, mas a menina possui dons muito especiais que a ajudarão sobreviver. Quando completa 17 anos, elabora um plano para fugir de Nek, e a partir desse momento, Mali descobre a verdade e os segredos por trás da redoma.

Falando brevemente sobre a autora:
Danielle Katayama trabalha como roteirista e editora em um canal de TV. Sempre se encantou pela arte de contar histórias e um dia quis contar a sua própria ficção. Como todo autor iniciante a personagem principal de seu primeiro livro é muito inspirada na própria personalidade da autora. Como a sua formação é jornalística, pode-se esperar um texto bem montado e com roteiro sem furos. Muito bem, vamos para a análise critica que fiz sobre o escrito, lembrando que antes de elabora-la tive o privilégio de conversar bastante com a autora e compreender o seu ponto de vista sobre a sua história.

 
Em seu primeiro livro a autora descreve a jornada de Mali, que vive em um momento pós-apocalíptico em seu ano de 3.700 depois do nascimento de seu Messias.

A protagonista no prólogo deste livro descreve o cenário pintado por um governo totalitário da cidade-estado de Nek, composto principalmente por cientistas do planeta inteiro. O planeta foi dizimado pela falta de recursos e colapso ambiental, fornecendo uma visão análoga a do possível futuro de nossa própria Terra. As ilustrações, feitas pelo ilustrador Henrique Candido que compõem o prólogo por sinal são fantásticas. Henrique também fez as ilustrações contidas nos primeiros capítulos do livro, irei falar delas mais adiante.

O livro é narrado por dois personagens; Mali e Ayron. Cuja o segundo não irei revelar quem é exatamente pra não estragar a narrativa com spoilers.

Nos primeiros capítulos a autora nos descreve a história dos pais de Mali; Madelyde e Korap. O primeiro era um apanhador de materiais externos à cúpula de Nek (que era radioativa, por conta disso eles saiam com roupas de proteção), enquanto Korap era um cientista pesquisador da cidade.

Até este momento o livro parece ser narrado com certa apatia, o roteiro e a trama é o que leva a história. A voz da autora não parece bem desenvolvida; entre o meio do segundo capítulo até o meio do terceiro, a história é contada com pressa e sem muitos detalhes na ambientação, com a exceção do primeiro capítulo e do prólogo, sendo ambos bem empolgantes.

A narrativa, a partir deste ponto começa a descrever a jornada de Mali, a protagonista, o livro ganha um novo fôlego e animação. Ela descreve a limitação da personagem com muitos detalhes, o ódio de seu pai ter que escondê-la dos demais por conta de sua deformidade e toda a rotina. Pela primeira vez você se sente na pele da personagem e de certa forma sofrendo com ela todos os abusos ocorridos naquele período de sua vida. Já no quarto capítulo ela corre mais um pouco com a narrativa, mas desta vez tomando cuidados com a descrição dos ambientes e novos personagens que são inseridos nesta nova fase da vida da personagem, não senti falta de nenhum aspecto que fosse fundamental para que a narrativa pudesse se tornar mais interessante. Lembrando que como você se veste com a personagem protagonista, também fica perdido, desorientado e vai descobrindo junto com Mali todo o mundo que os cerca.

Nos capítulos seguintes existe uma virada no plot principal e você descobre uma história nova, diferente da contada no prólogo, também são inseridos neste momento alguns elementos de ficção fantástica que servem para o bom encaminhamento da trama. Isto destoa um pouco do início que consiste em algo mais parecido com ficção científica, mas é justamente o que dá o tom de virada da história que a personagem sofre junto com o leitor, então como ela você aceita facilmente os acontecimentos a seguir.

No final juro que fiquei com medo de uma finalização estilo Deus-x, mas o que recebemos é um desfecho ao estilo clássico, amarrando as pontas soltas, deixando brechas bem justas para uma continuação que promete mais uma história empolgante. Como não deveria deixar de ser nos capítulos finais tem uma surpresa que revela uma personalidade clássica dos vilões de quadrinhos das décadas de 80 e 90.

Considerações finais:

É uma narrativa boa de uma escritora iniciante bem preparada para escrever, na minha opinião vale muito a pena comprar o e-book, você terá em mãos uma bela história que além de caber bem no bolso, ela é bem ilustrada, particularmente só não gostei muito de uma das ilustrações e senti falta de mais ilustrações no decorrer da narrativa. Vamos com as notas de 1 a 10:

Voz do escritor: 6,5 (personalidade)
Roteiro: 8,5 (criação, desenvolvimento, viradas e desfecho)
Ambientação: 6,0 (descrições do ambiente e aspectos gestuais dos personagens)
Coerência: 9,2
Diagramação: 9,5
Ilustrações: 8,0
Capa: 6,8 (Ilustração, Título, montagem da sinopse e primeiras impressões).
Levando em consideração os mesmos pesos para todos os critérios acima listados a nota final é:
7,79 !!!

Muito bem pessoal, para quem se interessou e quer adquirir o e-book ou até o exemplar físico; disponibilizarei os links de compra e contato da autora logo no final deste post. Deixem a sua opinião sobre este nova aba do blog aqui nos comentários. Curtam, compartilhe e marquem +1 na publicação para ajudar a ganhar destaque.

Abraços randômicos.

Blog da Autora:
  


Facebook de Promoção do Livro:
https://www.facebook.com/livroimaginecomigo/

Book Trailer:
https://youtu.be/fmSCGoSFXl4

Link Para Compra do Livro:
https://www.clubedeautores.com.br/book/203745--Imagine_Comigo__Versao_Colorida#.V18H5BnmNAg