domingo, 27 de novembro de 2016

[Resenha] Conto de Dragões

Olá caros leitores e escritores, no post de hoje temos resenha de livro! Escrito pela simpaticíssima Fabiane Zambelli! Vamos falar um pouco dela então? Segue.
Fabiane é formada em jornalismo, multiuso em várias de suas áreas e como se não fosse o suficiente é escritora nas horas vagas! Consequentemente uma apaixonada pelas palavras desde pequena; lia e faziam com que seus parentes próximos lessem também vários livros. A paixão pela literatura ficou séria aos 19 anos, quando entrou pra PUC em São Paulo na Faculdade de Jornalismo, onde produziu diversos textos ainda engavetados.
Vamos pro livro? Pois bem; Conto de Dragões é um livro de Fantasia e ficção brasileira escrito por Fabi Zambelli.
Ano: 2016 / Páginas: 416
Editora Novo Século (Selo Talentos da Literatura Brasileira)
Coordenação de Vitor Donofrio
Editorial:
Giovana Petrólio, João Paulo Purini, Nair Ferraz, Rebeca Lacerda.
Preparação por Fernanda Guerriero.
Diagramação: Vitor Donofrio e João Paulo Purini.
Sinopse:
Conto de Dragões é uma história contemporânea na região metropolitana de São Paulo. Neste livro acompanhamos Mariane, uma estudante de jornalismo, junto com seus colegas de classe, mas a rotina logo muda quando se dá conta da existência de dragões (seres originais de outro planeta), estes devidamente disfarçados em forma humana. Estes seres protegerão a Terra por qualquer preço contra os Giants (criaturas que praticamente aniquilaram o planeta natal dos dragões e muitos outros), eles estão em busca da energia vital dos habitantes deste planeta e seu rei Giulian fará de tudo para pegar o que imagina ser seu.
Crítica:
Pra adiantar; gostei da prévia, gostei da história, gostei também da construção do mundo. Mas há pontos que quebram a narrativa apesar da autora escrever razoavelmente bem.
Antes de mais nada; a sinopse contida no livro, ao meu ver, está incompleta, sem falar que a capa do livro dá uma impressão completamente diferente! Explico; preciso salientar o cenário urbano, ao contrário da capa mostrando um ambiente medieval. Sinceramente achei, pela capa, que a personagem principal era filha de fazendeiros ou coisa do tipo, pois a sinopse não deixa explícito o cenário, enquanto a capa engana. O único crédito fica para quem produziu a capa, mas aparentemente não foi lida a história para fazê-la.
O primeiro ponto; a narradora não introduz elementos suficientes para que você possa suspeitar de alguns aspectos no final, apesar de transmitir verossimilhança.
Segundo ponto; apesar de não passar pontos interessantes dos aspectos finais, apresentando-os de repente para o leitor, ela insiste em repetir descrições e pensamentos dos personagens, principalmente entre as paginas 50 e 120, mas a partir daí começa a melhorar, dando ritmo pra história.
Gostaria de dizer que o trabalho editorial ficou bom, acredito que isto se deva a quantidade de pessoas envolvidas na produção do livro como produto final.
Infelizmente próximo da parte final (por volta da pagina 300) ela perde ritmo, voltando ao habitual somente 50 paginas para o fim.
O final (as ultimas dez páginas) ela perde o ritmo novamente, mas creio que a maioria das pessoas não devem perceber.
Por fim tem uma delícia de posfácio e os agradecimentos da autora. Ambos muito bem escritos.
Existem mais alguns detalhes, quase imperceptíveis que fiz questão em passar para a autora.
Então... Este é aquele livro feito para se distrair com um romance fantástico contemporâneo. Talvez por conta da minha própria experiência de vida não consegui me ligar muito aos personagens, apenas levemente com Matheus, amigo de Mariane.
A edição aparentemente se contentou em corrigir os erros, na minha percepção não se esforçou em enxugar o livro, fazendo-o perder qualidade. Faltou lapidar por assim dizer.
Com tudo isto posto, estas são as minhas notas:
Voz do escritor: 4,0
Roteiro: 6,0
Ambientação: 6,0
Coerência: 7,0
Diagramação: 6,0
Capa: 2,0 (Ilustração, Título, montagem da sinopse e primeiras impressões).
Levando em consideração os mesmos pesos para todos os critérios acima listados a nota final é:
5,5 !!!
Observações finais:
Ficou interessado(a) no livro? Pois vale a pena o conto!
Minha ultima recomendação para quem quer ler Conto de Dragões; aprecie com moderação! Meu ritmo de leitura é insano, talvez por conta disso eu tenha sentido falta de uma leitura mais acelerada.
Acesse os perfis da Autora nas redes sociais:
Perfil no Twitter: Fabiane_ZP
http://twitter.com/Fabiane_ZP
Perfil no Facebook: Fabiane Zambelli de Pontes
http://www.facebook.com/fabiane.zambellidepontes
Blog World Fabi Books:
http://worldfabibooks.wordpress.com
Página no Facebook do World Fabi Books:
https://www.facebook.com/WorldFabiBooks
Página do Livro Conto de Dragões no Facebook
http://www.facebook.com/contodedragoes
Página do livro no Skoob:
https://www.skoob.com.br/conto-de-dragoes-604578ed604913.html
Instagram pessoal e do blog: world.fabi.books
http://instagram.com/world.fabi.books
Então pessoal, por hoje é só. Não se esqueça de ler outros posts, tem muita coisa bacana pra ler. Abraços randômicos e até o próximo post!

domingo, 20 de novembro de 2016

Post Random #10 Recados!



Olá caros leitores e escritores! Como estão vocês?
Hoje será um post curtinho, contendo alguns esclarecimentos a respeito do blog e este que vos escreve.

Em primeiro lugar; tenho posts repostados durante a semana. São posts antigos revisados, estou repostando-os para entrar no feed do Twitter e Facebook. Faço isso pra que todos os seguidores possam acompanhar 100% do blog.

Segundo tópico; o blog está com poucos acessos, alguns comentários na Pagina do Facebook, portanto diminuirei a frequência dos posts para cada duas semanas. Possivelmente farei postagens extras, mas não será regra.
Outro motivo para diminuição dos posts é o meu ofício da escrita, preciso escrever mais fora do blog para manter os meus estudos afiados.

E falando em estudos... Estou a disposição para quem quiser uma leitura crítica e análise literária, quem estiver interessado(a) é só me contactar nas paginas do Facebook e Twitter, assim conversaremos por lá (serviço ainda gratuito!). Apesar de ser ainda um escritor sem livros publicados (em breve isto mudará), estudo a arte da escrita há mais de quatro anos por conta própria; assisto alguns canais no YouTube, Podcasts e textos (até em inglês, mesmo tendo muita dificuldade na leitura, digamos que o Google me ajuda bastante também XD), isto sem falar de diversas entrevistas com autores experientes, ou seja, tenho me empenhado muito para oferecer bons serviços para vocês.

Muito bem, para aqueles que têm livros finalizados, encontro-me disponível para fazer resenhas e ceder as minhas anotações aos autores, como tenho feito em todas os meus trabalhos anteriores, sendo assim uma forma de leitura critica superficial (ao contrário de minha intenção combos ainda não publicados; análise profunda). Alem de todo o trabalho, também tenho uma plataforma de divulgação, mas como funciona? Publico as resenhas aqui, consequentemente nas páginas do Facebook (@OEscritorRandom e @FeedsLiterarios), sendo os dois de minha administração. Isto que não estou falando da Pagina do blog 1001 Nuccias no Facebook, no qual sou colaborador. Assim como todos os meus posts, comprometo-me a divulgar através dos meios citados.

Assim você, autor iniciante que confia em seu trabalho, poderá ter mais uma plataforma de divulgação (ainda que pequena) de forma gratuita, só me contactar. Sendo que alem de suas publicações, você poderá divulgar eventos e afins através de meu blog (pretendo concentrar este tipo de divulgação no futuro blog "Feeds Literários", cuja a criação se dará quando houver mais de 1000 curtidas), portanto há diversas vantagens e eu não desejo livro impresso, pois o importante ao meu ver é a sua história!

Ainda sobre Feeds Literários, como o agregador de links twitterfeed.com acabou, terei que parar com as divulgações pois outros agregadores são pagos e insuficientes no modo gratuito. Portanto pretendo reativar este projeto em um momento oportuno com o mesmo objetivo e outras formas para divulgação literária.

É importante deixar bem claro aqui; não desejo fazer dos autores iniciantes uma fonte de renda (talvez editoras e outros anunciantes), mas fazer deles uma fonte de enriquecimento da literatura brasileira, consequentemente aprender com vocês, bem como espero o bom proveito do conteúdo produzido aqui no blog (fonte de indicações, de publicidade, de conhecimento...).

Muito bem pessoal, por hoje é só. Espero vários contatos de vocês contendo os seus escritos!

Abraços randômicos e até a próximo post!



domingo, 13 de novembro de 2016

Post Random #9 Sobre Escritores



Olá caros leitores e escritores, especialmente os últimos. Hoje falarei um pouco sobre o ser escritor e os tipos/métodos de trabalho entre eles, depois falarei onde estou neste espectro e por onde passei.

O Aspirante.
Nesta fase muitos desistem da escrita, por achar trabalhoso ou ainda por reconhecer o tamanho da aptidão alheia. Há os poucos que passam por esta fase, vamos então separa-los.

Escritor Não leitor.
Aquele escritor que tem a mente afiada e assiste muitas séries e logo pensa "posso fazer uma coisa destas!" Mas se depara com o custo de se fazer algo do tipo. Muitos deles não duram muito, mas alguns poucos resistem e evoluem.

Escritor Traça literária.
Aquele leitor que começa escrevendo fanfics e emula os seus escritores preferidos, quando percebem são escritores amadores, mas muitos desistem em seguir adiante por conta de não se sentirem bons ou talentosos o suficiente.

Escritor Estudante.
É aquele com uma boa base teórica e normalmente faz criticas literárias elaboradas. Reconhecido pelos seus pares e amigos por entenderem muito de literatura. Os seus escritos costumam ser rebuscados e bem elaborados, com certeza um sucesso de critica, mas não de público.

Escritor em desenvolvimento.
Coloco este numa classificação por entender a existencia de momentos chave na caminhada do escritor. Quando recebe aquele estalo "tenho que escrever sobre algo conhecido, portanto tenho que estudar tudo sobre determinado assunto." Neste momento podemos dizer que o então aspirante torna-se amador.

Agora vem a pergunta "qual é a diferença entre amador e profissional" Não é fácil definir isto, mas vamos recorrer à dois parâmetros; remuneração e publicação. Se a renda como escritor supera a metade de sua renda total, podemos dizer que este é profissional.

Seguindo...

Escritor Professor.
Aquele que já conseguiu publicar livros e ter algum reconhecimento, tem uma legião própria de fans e leitores. Começa a ler textos alheios, menos experientes, conjectura sobre o ato de escrever e passa isso pra frente, seja em forma de cursos ou posts em blogs.

Escritor Editor.
Este se especializou em editar textos próprios e alheios. Também costuma fazer resenhas e leituras criticas. Participa de eventos e agencia outros escritores de seu interesse. Alguns se tornam agentes literários, outros editores em Editoras de prestígio ou ainda podem encabeçar novas empresas e projetos no mundo da literatura.

Máquina de Escrever.
Este profissional adquiriu uma rede de trabalho muito boa, explorando-a ao máximo. Ele é capaz de produzir mais de cinco contos por mês, sem deixar a qualidade de lado. Escreve pra blogs, sites e revistas. Escrever é fácil e normalmente busca sair de sua zona de conforto. No entanto raramente este tipo de escritor escreverá um best-seller.

Ainda existem aqueles que simplesmente escrevem, mas atualmente o mercado exige que nós sejamos cada vez mais um ser multitarefa. Um mesmo escritor pode ser mais de um tipo ou misturar características de dois ou três destas classificações. Mas esta é uma visão que tive sobre os escritores que encontrei pela internet e tentei cataloga-los.

Mas vamos para a minha história... Fui aspirante e era um daqueles que não liam muito. Me via impressionado com as produções audiovisuais, lia gibis e gostava de revistas sobre curiosidades científicas, durante minha infância ouvi muito rádio e gostava das musicas internacionais antigas. Na biblioteca lia muito sobre história da música e a estudei enquanto adolescente, também buscava saber sobre como as musicas surgiam. Li muitas poesias e comecei a escrever neste gênero, apesar de não ser bom em português ou produção de texto, mas a minha interpretação de textos era muito boa. Aos 18 descobri que a chave para um bom texto era o conhecimento sobre o assunto abordado, mas deixei este fato de lado até os meus 26 anos, quando comecei a estudar teoria e pratica literária enquanto tentava escrever o meu primeiro romance, ainda persisto. Em meu blog tento repassar o que vou aprendendo, sei que é pouco, mas é muito pra quem está começando. Como sei disso? Eu comecei um dia.

Fui aspirante, escritor não leitor, agora em desenvolvimento. Não sei até onde posso chegar, mas pretendo caminhar até descobrir.

Abraços randômicos para todos e até a próxima!

domingo, 6 de novembro de 2016

Post Random #8 Infinito



Olá caros leitores e escritores, hoje irei falar do infinito...

Parece místico, mas não é! O infinito não é um numero, muito menos o de vezes as quais podemos errar; infinito é um conceito! O infinito na gramática é a reticências (...), na probabilidade é a quantidade de números irracionais possíveis entre 0 e 1, na física é a possibilidade de encontrar um determinado prótons ou elétron dentro de um sistema em uma posição específica, na matemática é um conceito tão diverso quanto ele próprio... Enfim; o infinito é mais do que nossas mentes podem calcular, portanto; um conceito acima de qualquer outra definição.

Mas como usar um conceito tão abrangente quanto o infinito?

Podemos, com este conceito, abordar a física quântica (supracitado no parágrafo anterior), matemática avançada (que eu mesmo não entendo, pois sou de humanas) ou ainda pelo viés histórico da própria ciência! Vamos falar de Albert Einstein.

Einstein não gostava da ideia do infinito, muito menos com a noção de não poder calcular tudo ao seu redor, por conta disso criou os seus famosos modelos mentais. Para respaldar seus modelos, ele criou as fórmulas da relatividade geral e restrita, onde o próprio colocava um limite para a velocidade da luz, na verdade ele contradizia outros que falavam da luz chegar instantaneamente de um ponto ao outro. Ele não determinou a velocidade da luz no vácuo, mas disse como ela poderia ser calculada. Portanto Einstein não concordava com a noção do infinito, para ele tudo era uma questão de saber como calcular para chegarmos até determinado número, ou seja, tudo o que consideramos infinito, na verdade é um número aguardando para ser descoberto.

Foi então que veio a física quântica, aparentemente contradizendo este conceito de Albert Einstein, mas na verdade este ramo da física apenas nos diz que não somos capazes de calcular onde determinado prótons, nêutron ou elétron está em um sistema, pois estas partículas tem um comportamento aparentemente aleatório e quando terminamos de calcular a sua posição em determinado sistema, ela já passou por todas as posições possíveis... E este é o conceito do infinito da probabilidade. Sendo impossível determinar todas as posições, chamamos este "número" de infinito.

Tenho a impressão que se continuar este post, ele será infinito, pois existem tantas maneiras de abordar este conceito que elas tendem à própria noção do assunto abordado.

Este é um post introdutório sobre a física quântica, mas neste campo tudo o que podemos falar sobre o assunto ainda é muito introdutório. É um assunto diverso e ainda incompreensível para nossas fracas mentes, mas talvez possamos criar um computador quântico do tamanho de um planeta que pode nos ajudar a resolver este problema. Talvez ele fique com pena dos filósofos de plantão e nos dê uma resposta insatisfatória; 42.

Gostaram do post? Comentem, curtam e compartilhe!

Abraços randômicos para todos e até o próximo post!