domingo, 26 de março de 2017

[Ciência] Terra Plana

Olá caros leitores e escritores. Como devem perceber pelo titulo; voltei com alguns posts que tem a ciência como foco.

Como todos sabem; a cada dia surge uma loucura nova e a Terra Plana é apenas mais uma. Neste post irei mostrar a lógica dos objetos esféricos e como você (se estiver disposto) pode comprovar por si mesmo que a terra é redonda (ou se preferir; esférica). Então tirem seus chapéus de alumínio e guarde sua bola quadrada e leia este post pra saber como responder à esta insanidade...

Muitos acreditam que a NASA mente sobre os fatos do universo e tudo mais, como se não houvessem astrônomos amadores o suficiente pra mapear o céu e os movimentos de seus astros. Além destes apaixonados pelo céu (que lindo ❤ ) temos agências de outras nacionalidades, agencias independentes, instituições de pesquisa... Se não conseguem calar nem a PF de um País de terceiro mundo, imaginem este mundo (literalmente) repleto de organizações pensantes que vasculham o céu todos os dias. Como um belo exemplo temos iniciativas que buscam asteróides perto da Terra a fim de prever um possível impacto com a nossa querida e insignificante bolota azul...

Digo insignificante, pois o nosso tamanho em comparação com o universo é realmente inimaginável para nossa pequena mente, limitado à medidas como metros e quilômetros. Mesmo medidas astronômicas como anos-luz é pequena pra mensurar o tamanho do nosso sistema solar. Exemplificando:
A sonda Voyager 1 é a mais rápida construída pela humanidade, com a exceção das sondas Hélios (1 e 2) que circundam o sol até hoje, mas não estão em operação. Já a Voyager foi lançada há aproximadamente 40 anos somente neste ano ela alcançou a "incrível" marca de 1 ano-luz de distância de nossa estrela mãe. Isso mostra o quão longe estamos da medida de 100 milhões de anos-luz.
Pra quem é totalmente, anos-luz é uma medida de distância (não de tempo) onde 1 ano-luz é o tempo que a luz percorre em um ano no vácuo.

Outro conceito interessante sobre o vácuo é que o espaço não é composto por vácuo, mas sim partículas de poeira e gás, bem como uma matéria misteriosa chamada de "matéria escura", esta matéria ainda é um mistério, mas existe uma coisa que descobriram sobre ela; a imensa maioria da massa do universo (com massa quero dizer também matéria) é composta pela "matéria escura". Mas continuando...

Sobre a teoria da Terra plana; é um absurdo pensar num Sol ou numa lua esférica e uma Terra Plana, sendo que todas as demais formas que vemos no céu são esféricas, ou ainda geoides (no caso de alguns asteroides). Ah... A Terra é esférica, mas se "tirássemos" toda a água da Terra, o que se vê é uma forma geoide, no entanto não iria demorar muito para se tornar esférica, devido a grande massa que a Terra exerce, mesmo sem contar com a sua grande porção de água.

Outra evidência (uma das mais diversas) que a Terra é esférica são as medições feitas por Eratóstenes em 276 AC, determinando a circunferência da Terra. Hoje sabemos que a tal circunferencia é de 12.732 km, mas os cálculos do matemático e primeiro geógrafo que temos notícia nos ajudou a compreender como inferir a circunferência da Terra sem sair do chão. Se é possível verificar esta medida há tanto tempo, podemos inferir com assertividade que a Terra não é Plana.

Esperando alguns terraplanistas me desmentirem, dizendo que tudo não passa de uma grande conspiração, esperando que eles mesmos queiram descobrir a verdade (pois existem muitos documentários e vídeos no YouTube com métodos pra inferir isto por si) eu encerro esta singela postagem.

Abraços randômicos e até o próximo post!

Textos indicativos:
http://www.zenite.nu/eratostenes-e-a-circunferencia-da-terra/
http://www.fc.up.pt/mp/jcsantos/Eratostenes.html
http://www.ghtc.usp.br/server/Sites-HF/Fernando-Torres/

domingo, 19 de março de 2017

Post Random #19 O Escritor, o editor e o alvo.

Olá caros leitores e escritores. Hoje irei falar sobre a edição de um livro, pois apesar de não ter editado livro algum eu li vários, muitos deles sofrem por conta dos escritores letárgicos, editores preguiçosos e falta de mira no público alvo. Vamos ver quais são as soluções e como acertar.

A função do escritor é conhecer bem as ferramentas de uma narrativa; vocabulário, fluência textual e ritmo, por exemplo. Existem várias outras, mas creio que estas sejam as principais. O vocabulário é como se fosse a munição, mas não importa ter uma boa munição sem saber como usa-la. A fluência é o tipo de arma usada, coisas como estilo e alcance da obra em questão, mas de nada adianta se você não sabe qual público atingir. Muitas vezes escrevemos por conta do estilo que temos, isso nos limita de certa forma, pois os estilos são muitos e as ferramentas diversas, por isso quanto mais armas você tiver; mais leitores você irá atingir. Mas qual leitor atingir? Já fiz minha história, escrevi ela com uma munição diversificada, as armas bem afiadas, por qual motivo não atinjo ninguém? Ah meu amigo, se você não atirar e correr atrás de seu leitor... Você está condenado ao esquecimento. Ninguém corre atrás de novatos, pois há vários com talento e persistência correndo e atirando em seu público alvo, seja o melhor! Não há nada pior do que um escritor talentoso e letárgico; um desperdício! Seria melhor que não perdesse seu tempo escrevendo. Pois eu, meu nobre colega, estou montando minha casamata neste blog, em breve começarei a atirar.

Se a função do escritor é contar uma boa história e correr atrás de seu público alvo, como um soldado numa guerra pelo seu lugar ao sol... O dever do editor é cortar o que é desnecessário, acertando a coesão do texto e os pequenos detalhes. Caso o escritor falhe em seu dever, o editor deve falar no que melhorar e se negar em reescrever o manuscrito, pessoalmente acho errado, pois este tipo de atitude, geralmente, dá origem à títulos medíocres, isto quando não são praticamente impublicáveis. Um editor piedoso, sem senso crítico, pode jogar o nome do livro e das pessoas envolvidas na lama! Muito cuidado com seu manuscrito sendo reescrito, não é certo, sua escrita precisa melhorar imediatamente. Por falar nisso... Conversem comigo, tenho varias formas de contato e podemos ver o que há de errado na sua escrita.

Retomando... O editor tem como dever fazer três coisas para dizer ao dono de um manuscrito insuficiente:
1) Mandar reescrever a historia, deste jeito não dá pra editar.
2) Nestas primeiras páginas você erra nestes aspectos...
3) Quer que eu edite mesmo assim? Ok, mas não vou reescrever a história pra você (assim nascem os impublicáveis publicados).

Um editor piedoso se contenta em arrumar os erros de gramática e concordância, sendo assim quase desnecessários para os escritores mais atentos à estes aspectos.

Os escritores, na minha percepção, devem ter pena dos editores, entregando textos redondos e fáceis de ler. Estudem!

Agora o público. Este aspecto depende muito de sua história e forma de escrever. Mas vou dar algumas coisas que percebi durante a existência deste blog:
1) Os leitores mais ativos são mulheres jovens e adultas.
2) Não tenha preconceito; elas lêem de tudo e um pouco.
3) O gênero de ficção científica e fantasia está cada vez mais forte! Prepare seu livro pra retomada do crescimento entre 2018 e 2019. É isso que estou fazendo!
4) Sempre busque opiniões de seus betas como "Pra quem você indicaria esta história?" Isto te dará uma percepção maior do que suas impressões.

Por falar em betas... Eles são muito importantes.

Por hora é só! Abraços randômicos e até a próxima!

domingo, 12 de março de 2017

Post Random #18 A Primeira Página

Olá caros leitores e escritores, neste post você dará a devida importância à primeira página. Não sabe o motivo pelo qual deve ter uma primeira página perfeita e chamativa? Hoje você irá descobrir!

Pois bem, todos sabemos o quanto é importante ter uma boa qualidade literária em geral, mas a primeira página (ou as primeiras páginas) é fundamental pra fisgar o leitor, pois este é o primeiro contato com a sua obra, muitas vezes antes de uma resenha ou sinopse, às vezes gostou da sua capa...

O que devemos salientar aqui são algumas regrinhas de ouro pra que o leitor não fuja de seu livro, ou não o jogue na parede depois de páginas e mais páginas sem o devido desenvolvimento da história.

Vai escrever uma saga ou trilogia? Escreva o seu primeiro livro!

Muitas vezes pensamos "minha história dá uma saga!", mas não é bem assim. Até pode ser se você enrolar seu leitor, mas não vai querer isso. Se eu comprasse um livro e não fosse um escritor, gravaria um video tacando fogo num livro que não me levasse à lugar algum nas 50 ou 100 primeiras páginas. Alem de entediar o publico, você estará literalmente se queimando.

E como fazer isso? Simplesmente deixando seu ego de lado. Muitas vezes uma ideia é só isso; uma ideia. Às vezes se torna um conto, pode ser que se transforme numa noveleta, mas só será um livro ou saga se você expandir absurdamente o seu universo ficcional. Não aconselho à nenhum novato fazer isso, pois requer atenção total ao escrito e muito, mas muito estudo de técnicas literárias e organização.

Comece por algo simples:

Eu comecei com poesia e música, com isso ganhei noção de espaço e ritmo, mas pra adaptar isto na narrativa custou muita, mas muita prática mesmo! Foram três longos anos se frustrando com minhas histórias, foi quando percebi que poderia fazer esta transição de poesia e música de forma suave. Comecei a fazer pequenas estrofes e versos contando uma história no estilo "Pedrinho foi à padaria", depois avancei um pouco mais com dramas pessoais, pequenos sentimentos do dia a dia. Nada disso publicável, mas serviu ao propósito; agora aprendi a contar histórias.

Mas não pense que meu primeiro texto foi bom, péssimo pra falar a verdade; sem coesão, sem lógica interna, mas tinha ritmo e poesia. Então comecei a pesquisar mais técnicas. Como disse no último Post Random, eu descobri a ferramenta de roteiro quase por último, ela foi fundamental para o meu desenvolvimento como escritor. Até descobri um pouco do meu estilo de escrita antes mesmo do roteiro! Mas não façam isso, pois percorri o caminho mais longo.

Mas estamos falando da primeira página, não é? Então vamos à próxima vítima, opa, digo; a próxima dica:

Não descreva cenário! Descreva sentimento e ações.

Pegue o exemplo:
(...)
Cheguei em casa.
- Isso são horas de chegar? - Disse minha mulher.
Tirei os sapatos, deixei meu casaco no cabideiro.
- Não vai responder não? Seu cachorro!
Já estava cansado disso; todo dia depois do trabalho, tudo igual. Bebi um copo de água que escorreu pelo meu pescoço.
- Bebendo pinga né? Pra beber desse jeito só pinga!
- Deixa disso... - Respondi. - Trabalhei o dia inteiro e faltou água no trabalho. Só tô matando a sede mesmo!
- Ah... Agora grita comigo, né?
(...)

Não foi cena de nenhum livro que estou escrevendo, mas ilustra bem como deve funcionar uma primeira página; poucas descrições, conflitos e sentimentos fortes. Pra experimentar um pouco, vamos ver como fica a cena em terceira pessoa:
(...)
Ao chegar em casa Aberto é recebido "carinhosamente" por sua esposa:
- Isso são horas de chegar? - Disse Marina.
Sem se importar ele deixou os sapatos sapatos jogados no canto e o casaco mal arrumado no cabideiro.
- Não vai me responder não? Seu cachorro!
Ele apenas pegou água do filtro e a tomou, derramando-a pelo pescoço, molhando o chão.
- Bebendo pinga né? Pra beber desse jeito só pinga!
- Deixa disso... - Disse ele calmo e cansado. - Trabalhei o dia inteiro e faltou água no trabalho. - Respirou fundo. - Só tô matando a sede mesmo!
- Ah... Agora grita comigo, né? - Resmungou Marina.
(...)

Pessoalmente gosto de escrever em primeira pessoa, pois se você tem que mostrar os sentimentos de um personagem, que seja pelo seu ponto de vista...

Mas seguindo com a primeira página; se alguém está lendo, quer dizer que ficou interessado na capa ou sinopse, se você mostra uma primeira página com conflito e desenvolve isso a cada palavra, frase, parágrafo e nas próximas páginas, não há motivo para que não gostem de seu livro, ao menos não podem tirar uma conclusão até terminar.

Gostou das dicas? Quer saber o que penso sobre seu texto? Me envie suas primeiras páginas! gustavo.vegas.pro@gmail.com.

Abraços randômicos e até o próximo post!

domingo, 5 de março de 2017

Post Random #17 Bloqueio Criativo

Olá caros leitores e escritores, quantas vezes você já encarou o Word em branco sem ideias? Ou ainda travou do nada em no meio do texto? É muito difícil passar pelo bloqueio criativo, mas existem técnicas que você pode aplicar e minimizar o impacto deste temível inimigo de nós; criadores de histórias.

Faça um planejamento, faça um mapa de sua história:

Plot inicial: Um cientista nazista que não concorda com o regime, procura o assassino de seus pais e seu tio, cuja foi criado após a morte de seus pais, é um dos suspeitos. Ele não quer ceder seus conhecimentos ao eixo para proteger sua herança de conhecimento vindo da extinta Biblioteca de Alexandria. Este, meus amigos, é o plot inicial de meu livro (ainda em produção) "Omega Volk: A Margem da Maldade".

Pra que este plot inicial chegasse neste estado, demorei três anos, entre escritas e reescritas.

Mas tudo nasceu de uma ideia:

Um cientista nazista que não concorda con o regime se nega a ceder todos seus conhecimentos, mas precisa desenvolver sua ciência naquelas situações precárias, mesmo assim seria uma das melhores oportunidades de sua vida.

Como eu não tinha conhecimento destas técnicas, demorei muito no desenvolvimento do texto final. Lembro que meu primeiro rascunho foi totalmente desprezado, por mim. Reescrevi outras dez vezes antes de saber todas as técnicas básicas de uma produção literária. Depois de várias tentativas escrevi o roteiro, foi há três meses.

O roteiro:

Roteiros não servem somente pra filmes e séries, serve pra sustentar as cenas dos livros. Aposto que nenhum livro foi inteiramente escrito sem uma roteirização sequer. A elaboração do roteiro foi a única responsável por diminuir drasticamente a frequência dos bloqueios criativos. Penso que quem sabe usar adequadamente o roteiro, nunca estará perdido. Vou dar um exemplo:

Cena 1: Morte dos pais de Grimaldi. Narrado por Grimaldi.
Cena 2: Mel chega ao anexo. Narrado por Grimaldi e Mel.
Cena 3: Mel se lembra quando esteve na casa dos Volk.

Assim por diante. A partir de um roteiro você escreve suas cenas com liberdade e tranquilidade, uma atrás da outra. Assim você ganha velocidade na elaboração do livro.

Teve uma ideia pro roteiro quando está no ônibus ou no trabalho? Sempre tenha um bloco de notas na mão, seja no celular ou no papel mesmo. Quando chegar em casa é só encaixar o roteiro. A mente do escritor trabalha o tempo todo em segundo plano, por mais que você não pegue no texto por algum tempo, sua cabeça sempre irá te lembrar. Por falar nisso...

Ritmo de escrita:

O ritmo de escrita e sua quantidade sempre é posta em questão, uns dizem que tem que escrever todos os dias, mas eu te digo; basta pensar na história todos os dias, mas pelo menos uma vez por semana você senta e escreve. De preferência todo o roteiro que você elaborou durante a semana, naqueles intervalos de ociosidade. Então meu conselho é que depois de ler muito sobre técnicas de escrita (também aqui no blog) escreva muito durante o seu dia de folga, eu rendo em até cinco horas sem intervalo, minha produção é baixa por causa que eu vou revisando a coerência do texto, mas há aqueles que produzem mais e precisem de mais revisões posteriores.

Por falar em revisões:

Eu aconselho que a cada 10 ou 20 paginas, pare um pouco e observe a coesão do texto; se uma frase leva até a outra, um parágrafo leva ao outro, se os diálogos estão fluidos e naturais e principalmente se fazer uma pergunta fundamental; você compraria seu livro? Pois se a resposta for não, repense sua narrativa e volte a estudar as técnicas.

Por falar em estudar as técnicas, não se esqueça de ler os outros posts do blog que falam sobre isso na categoria construção literária na lateral do blog e seja um feliz proprietário de boas ferramentas para o seu texto!

Gostou do post? Quer uma consultoria ou leitura das primeiras páginas de seu manuscrito? Adoro ler, me envie um email (gustavo.vegas.pro@gmail.com) e saiba como está seu texto.

Abraços randômicos e até o próximo post!