domingo, 30 de abril de 2017

1° de Maio

Olá caros leitores e escritores, feliz seja o dia de todos nós que continuamos trabalhando, também daqueles protestantes lá fora. Somos, no final das contas, um só. Por isto deveríamos estar juntos, lutando contra medidas que não foram discutidas previamente, contra aqueles que não dão o exemplo cortando os próprios privilégios. Esta ação do nosso governo só mostra o quanto eles refletem as ações de seu próprio povo. Explicarei.

Muitos já me disseram "...se eu estivesse lá faria a mesma coisa... Garanto que você também...", ou ainda que eles estão mais do que certo dizendo; "o mundo é dos espertos", também podemos traduzir como "bobo é quem trabalha". Só quero dizer que, pela lógica da politica brasileira, eles não estão errados. Mas não quer dizer que eu concorde com a perpetuação deste tipo de pensamento.

Os protestos, apesar de muitos desqualificarem pela presença sindical, são uma prova do amadurecimento político, apesar de não ser composta por uma massa 100% pensante, sendo que a maioria, ao meu ver, se apropria de uma ideologia por inteiro, sem questionar as ideias inclusas no pacote, consequentemente não separar as ideias de dentro das ideologias, construindo o seu próprio conjunto de ideias. Pros extremistas isto é impensável justamente pelo desmonte de sua ideologia perfeitamente montada pra combater o lado oposto.

O que quero dizer é; não existem ideias de direita ou esquerda. O que existem são ideias, sendo boas ou más dependendo da posição do sujeito de direito na sociedade.

Mas as opiniões ultrapassam a questão do trabalhador, muitos valorizam, e muito, a questão do trabalho. Muitas vezes são opiniões vindas diretamente dos anos 60, onde estudantes e cientistas não são bem o modelo de trabalhador. Nisto estão inclusos os filósofos e o ofício o qual pretendo seguir na escrita. A respeito disto só quero dizer que estas facetas do ser humano formaram a sociedade atual. Dizer "isto não é trabalho" nada mais é do que cuspir pra cima.

O trabalho, no pensamento de muitos, é o meio pelo qual se qualifica o ser humano, mas pelo contexto da Grécia antiga o trabalho intelectual era tido como dignificante. Mas o que se deve ter em mente é que a honestidade não está ligada de forma inviolável com o trabalho, sendo perfeitamente que alguém considerado trabalhador cometa desonestidade, seja material, moral ou intelectual. Por sinal desqualificar a pessoa que profere determinada ideia é a pior desonestidade intelectual. Deve-se argumentar colocando os argumentos em questão, rebatendo os pontos um a um. Um belo exemplo de manifestação deste tipo de desonestidade está exposta em todas as emissoras de TV a cada dois anos nas campanhas políticas, fica difícil votar quando os argumentos se resumem a ataques pessoais, não tendo a mínima ideia de como aquele candidato vai resolver os problemas da população. Apesar disto, compreendo que se houver alguém neste meio tentando rebater de forma razoável e lógica não teria a menor chance, pois iriam desviar o foco e resumir as discussões em ataques pessoais.

Quando resolver assistir um destes "espetáculos" tenham em mente de que se houver algo parecido com o diálogo abaixo, este ser não é digno de voto:

- Quais são suas propostas pra educação?

- ... É importante salientar que o outro candidato não fez pela educação, eu sim farei...

Mas não explica a forma de como se aplicará. E isto se repetirá até negarmos esta maneira de fazer política. A única maneira de progredir a política brasileira é discutir racionalmente.

Feliz dia do trabalho.

Feliz dia do trabalhador.

Espero que nossos governantes sejam substituídos periodicamente, pois peças com muito tempo na função apresentam vícios ocultos. A alternância de poder é fundamental pra permanência da democracia.

Abraços randômicos e até a próxima!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá! Fique à vontade para exibir sua opinião e deixe o link de seu blog/site também. Abraços Randômicos!